Carnaval’2019: GRUPO IPNOVE VENCE DESFILE NACIONAL E LEVA O PRÉMIO DE CINCO MILHÕES DE FRANCOS CFA

O Grupo Cultural do Instituto Politécnico Nova Esperança (IPNOVE-IP9) foi o grande vencedor do desfile nacional do maior evento cultural guineense (Carnaval’2019), que decorreu esta segunda-feira, 04 de março de 2019, sob o lema ” Salvaguarda da Memória Coletiva” com 43 pontos e leva como prémio uma soma estimada em cinco milhões de Francos CFA, depois de ter vencido o desfile regional do setor autónomo de Bissau.

A maior festa cultural realizada este ano com enormes dificuldades no que concerne ao financiamento, por falta de patrocinadores contou com a participação de onze (11) grupos, dos quais oito das regiões e três do setor autónomo de Bissau (IPNOVE, Iris de Brá e Chão de Papel). 

IPNOVE venceu o desfile, seguido de Chão de Pepel que obteve 42 pontos, cabendo-lhe o prémio de quatro milhões de Francos CFA. Iris de Brá classificou-se na terceira posição com 37, 5 pontos e levará uma soma de três milhões de F.CFA.

Os grupos concorrentes obtiveram as seguintes pontuações: Tombali, 32; Cacheu, 31; Quínara, 28; Bolama, 26; Bafatá, 25,5; Oio, 24; Biombo, 24 e a região de Gabú ficou na última posição com 22,5 pontos. 

Florentino Dias, Secretário de Estado da Juventude, Cultura e Desportos, disse na sua declaração aos jornalistas que o carnaval guineense, para já, é mais que uma festa religiosa, dado que acaba por ser o momento mais importante que o país tem para evidenciar a sua cultura.

“Cada região constitui uma miniatura da Guiné-Bissau. É importante referenciar este aspeto. Por isso cada grupo apresentou diferentes estilos de danças de grupos étnicos que constituem a nação guineense”, afiançou o governante.

O Coordenador do Grupo Cultural do Instituto Politécnico Nova Esperança (IPNOVE), Valdir da Silva, disse aos jornalistas que o sucesso do seu grupo consiste no trabalho de equipa sincronizado para dar mais performance ao coletivo. Explicou que inspiraram-se na situação social da Guiné-Bissau, na qual procuraram o passado cultural evidenciado ao público sob diferentes formas.

“Chão de Pepel é o nosso parceiro e lembro-me que caminhamos juntos desde Junho de 2018 e até hoje. Por isso se ganhamos é o Chão de Pepel que ganhou também”, observou.  

CHÃO DE PAPEL INSATISFEITO E AMEAÇA NÃO PARTICIPAR MAIS NO CARNAVAL

Inocêncio Gomes Correia, um dos coordenadores do grupo de Chão de Papel Varela, mostrou-se insatisfeito com os resultados apresentados pelo júri, tendo assegurado que o essencial do carnaval são as máscaras e não as danças. Acrescentou que “o resultado foi fabricado, ou seja, encomendado, porque nenhum grupo apresentou máscaras melhores do que o grupo de Chão de Papel Varela”.

“O Grupo de chão de papel Varela pode não participar no desfile nacional, tendo em conta que o orçamento foi superior ao valor do prémio. O grupo não ganhou nada. Por exemplo, o custo da logística que tivemos este ano foi superior aos cinco milhões, valor  do primeiro prémio. Por isso preferimos doravante organizar o carnaval na nossa rua, em vez de participar no desfile nacional, se se persistir com este tipo de prémios”, assegurou. 

Por: Epifania Mendonça e Carolina Djeme

Foto: Marcelo Na Ritche

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa