Barragem hidroelétrica: JOMAV PEDE ESFORÇOS AOS TÉCNICOS PARA EXECUÇÃO DOS TRABALHOS NOS PRAZOS FIXADOS

O Presidente da República, José Mário Vaz, pediu ao alto comissariado e aos técnicos no sentido de redobrarem esforços em sinergia com as empresas responsáveis pela execução dos trabalhos da construção de subestação de interconexão da energia elétrica, de forma a respeitarem os prazos contratualmente fixados. O Chefe de Estado guineense fez este apelo durante a cerimónia de lançamento da primeira pedra para a construção da subestação de interconexão de energia elétrica em Saltinho, setor de Quebo, região de Tombali no sul do país e que terá a duração de 24 meses. 

A construção da subestação que vai ligar a barragem hidroelétrica de Kaleta (Guiné-Conacri) à Bissau, através de uma rede de interconexão de 218 quilómetros, insere-se no âmbito do projeto da Organização de Aproveitamento para a Valorização do Rio Gâmbia (OMVG, sigla em francês). A linha cuja construção foi iniciada sairá de Saltinho (sul), passando por Bambadinca (leste), Mansoa (centro/norte) até chegar a capital Bissau e contará com quatro estações de transformação de alta tensão, servindo todo o país.

A presidir, ontem 4 de março de 2019, a cerimónia de lançamento da primeira pedra de construção da obra, o Presidente da República reconheceu na sua intervenção que a principal alavanca para o desenvolvimento do país, para além da agricultura, é a energia elétrica, que considera de elemento indispensável para o desenvolvimento económico e social de qualquer país.

Lembrou que em fevereiro de ano 2017, o Presidente Alpha Conde da Guiné-Conacri lançou o projeto da interconexão de 1677 (mil seiscentos e setenta e sete) quilómetros e 15 subestações para a produção e distribuição de energia na sub-região. Realçou, no entanto, que a Guiné-Bissau é o primeiro país a beneficiar da linha de interconexão, seguida do Senegal e depois a Gâmbia.

O Chefe de Estado assegurou que o projeto da OMVG é uma realidade hoje, contudo diz esperar que, de acordo com o cronograma, tenhamos energia elétrica brevemente para servir as famílias, o consumo doméstico e as futuras indústrias a instalar nessas regiões, ao serviço do desenvolvimento dos países. Agradeceu ainda a comunidade de parceiros técnicos e financeiros bem como os Estados membros por terem mobilizado a soma de 722 milhões de dólares norte-americanos para a realização do projeto de interconexão.

“Os trabalhos que nós começamos hoje e que o Alto Comissario acaba de descrever é um projeto estruturante da rede energética da OMVG e com interconexão regional para o intercâmbio e comercialização da energia na África Ocidental. Num país sem energia elétrica não poderá haver desenvolvimento”, referiu o Presidente da República que, entretanto, recordou que o projeto de energia da OMVG se inscreve perfeitamente no roteiro da iniciativa da União Africana sobre energias novas e renováveis.

Salienta-se que a OMVG é uma organização internacional constituída por Estados da África Ocidental, nomeadamente o Senegal, a Gâmbia, a Guiné-Conacri e a Guiné-Bissau e que desde os anos oitenta tem como objetivo o aproveitamento conjunto dos recursos naturais do rio Gâmbia, concretizando projetos internacionais em função desse mesmo objetivo.  

Por: Assana Sambú

Fotos: presidência da república 

One comment

  1. Gilberto Braima Cassamá disse:

    Isso é um passo importantíssimo para desenvolvimento do nosso país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa