Opinião: TUDO MENOS POLÍTICA, GUINÉ-BISSAU NO CADAFALSO

Quem olha hoje para Guiné-Bissau pode/deve estar seguro de que está perante a mais completa fόrmula do “imprevisível”. Nem os P5 e nem outra instituição sabe que futuro espera a Guiné-Bissau. Quando o filosofo e sociólogo Noam Chomsky (1994) afirma de que quem ama a política ama a incerteza, de facto tinha razão, mas quando olhamos para Guiné-Bissau, a questão não é apenas sobre as incertezas da política ou a sazonalidade das agendas políticas (normal no jogo político). No caso da Guiné-Bissau, é uma questão maior, o próprio país é incerto. Difícil de diagnosticar. Guiné-Bissau transformou-se num país onde não se sabe quem pode ser o primeiro ministro amanhã (tudo pode acontecer). Um país a deriva a muito e bom tempo.

De crise em crise, o país (os guineenses) acabou por se acostumar com a incerteza. Esta incerteza afasta o país de tudo que é progresso. Guiné-Bissau QUO VADIS? Quando num passado recente, insisti em defender que se evitasse em resumir os problemas da Guiné a questão normativa (jurídica), a atual realidade socio-política revela ao meu favor que, o problema continua a ser “as manhas” dos guineenses e seu ethos. Comportamentos erráticos dos atores políticos que os jovens veem assimilando vertiginosamente.

Esperava-se [para os otimistas da Spínola] que, após as últimas eleições legislativas, poderia dar-se pausa no processo de sangramento do Estado, na banalização da administração pública e no adiamento fatal do país. A Guiné-Bissau apenas perde e, perde muito a cada vez que opta por mergulhar na barafunda ao invés de trilhar por caminhos da sociedade global: criação da riqueza para o bem e progresso de todos, na criação de rede do ensino que seja capaz de impulsionar uma nova sociedade, mais justa e igualitária, na assimilação das novas  tecnologias de modo a não perder o rumo da mundialização, na efetivação das agendas emergentes como “mulher” e sustentabilidade, etc.

O país está fora de tudo que é debate. O debate na Guiné-Bissau, como já escrevi no passado, continua a ser sobre egos e personalidades. Não existe uma agenda nacional. Um país com enorme potencialidade para provocar um desenvolvimento rápido, mas não tem sido capaz devido a crises sem fundamentos aceitáveis. Continuou-se a contribuir para industrialização e geração do emprego dos outros, nomeadamente Índia, quando envia toneladas de castanhas de caju para serem partidos, como aponta professor Carlos Lopes.

Ainda nesta semana, ficou-se a saber que a Guiné-Bissau vai-se beneficiar de mais de 90 poços (fontes) financiadas por PNUD para suprimir as dificuldades das pessoas com dificuldade de acesso a água potável. A questão que se deve colocar é seguinte: que país no mundo pode desenvolver-se recebendo ajuda para ter fontes, para que as pessoas possam ter acesso a água potável? Já escrevi no passado – um país que recebe financiamento para beber água, não pode pensar em desenvolvimento. Vale dizer que, como se ensina nas cadeiras de Relações Internacionais, um país nunca é pequeno, Guiné-Bissau poderia, se se organizar, reestruturar a sua agenda política, a partir duma agenda nacional com prioridades e provocar uma mudança profunda que seja capaz aplacar o tempo perdido. Uma das coisas que poderia ser recuperada, é sua DIPLOMACIA, Guiné foi um país de um grande diplomata, Amílcar Cabral, e é dum grande diplomata – Carlos Lopes.

Como é que se explica um país que produziu no passado uma figura como a do Amílcar Cabral, expoente máximo da sua geração e, no atual contexto, ter produzido figura como a de Carlos Lopes, mente pensante das grandes agendas africanas, nomeadamente o histórico tratado do comércio africano celebrado recentemente, estar na situação em que se encontra? Tudo que a Guiné-Bissau conseguiu até 1973 foi graças a sua estratégica e competente diplomacia liderada pelo Amílcar Cabral. É preciso recuperar o país através duma diplomacia forte, daí a necessidade de eleger um presidente com perfil e network diplomático pujante.

Lamentavelmente, o país está no cadafalso, como havia dito numa entrevista em 2017, as posições estão bem demarcadas mais para “djunda djunda” do que propriamente para um debate sobre como fazer o plano de desenvolvimento nacional, que política de gênero deve ser adotada, qual é a política do país sobre o ambiente, etc. Muito pelo contrário, o debate continua a ser sobre quem é mais macho, quem manda fazer e faz acontecer, etc. Somou-se agora ao debate instrumentalização da fé.

 Enquanto reina essa distração na Guiné-Bissau, resto dos países africanos estão a inaugurar autoestradas, caminhos de ferros, abrindo portos, cidades e financiando a educação e saúde com recursos próprios. A Guiné-Bissau só consegue figurar como destaque, quando assume posições como a que assumiu no último relatório de Transparência Internacional (2018), onde dos 180 países avaliados, ficou melhor apenas em relação à 6 países, todos eles em algum tipo de conflito ou, situação de Guerra (Síria, Somália, Sudão, Eritreia, etc).

Sem políticos não se faz política. Na Guiné-Bissau, faz-se tudo, menos a política.

és i nó mundo, mundo de bibos ku mortos, suna faci, faci diritu, ena djubiu, ena obiu, ena odjau…quilis ku bai ka tchiga de bai, esta na nó metadi”- Zé Manel

Lisboa, junho de 2019

Por: Tamilton Gomes Teixeira

Sociόlogo

Mestrando em Sociologia no ISCTE/ Portugal

2 comments

  1. Jorge Cá disse:

    Grande Tamilton, fico muito contente com a sua abordagem, mas nao devemos perder animo e nem sonho de lutar pra que a democracia seja visto como o poder do povo na guine-bissau tarde que seja,teremos homens e mulher eficiente que irão transformar aquele país….

  2. Isaac João Freire disse:

    Meu diplomata favorito.
    Bem pausado mano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa