EAGB RUBRICA ACORDO COM ORANGE PARA VENDA DE RECARREGAMENTO DE ELETRICIDADE VIA TELEMÓVEL

A empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB) rubricou esta sexta-feira, 05 de julho de 2019, um acordo de parceria com a empresa de telecomunicações ORANGE BISSAU que permitirá que clientes daquela empresa pública de eletricidade possam efetuar a compra de saldo de luz através do serviço de telefonia móvel “Orange Money”, por forma a reduzir o fluxo dos clientes nas suas agências. 

O presidente do Conselho de Administração da EAGB, Carlos Alberto Barbosa de Andrade, que assinou o contrato de prestação de serviço em nome da EAGB, realçou a disponibilidade da Orange em trabalhar com à equipa da sua empresa para concretizar à visão de aprovisionamento de recarregas de energia elétrica através nos dispositivos móveis, via “Orange Money”. 

“Atualmente, para comprar crédito de recarregamento de luz desloca-se sistematicamente e faz-se filas longas nas agências de EAGB.  Acreditamos que durante à noite alguns clientes ficam sem créditos e sem luz elétrica e, consequentemente a empresa não fatura”, explica, alertando que o acordo ora assinado não é de exclusividade e que estão abertos a outros atores no mercado que estejam disponíveis a propor soluções que facilitem a vida da clientela da EAGB.

Reconhece, contudo, que devido à fraca qualidade da rede de distribuição, às vezes  ocorrem interrupções em algumas zonas no fornecimento da energia, mas assegurou que a empresa está a trabalhar para garantir que haja energia de qualidade e que os clientes tenham a possiblidade de adquirir os recarregamentos de forma mais facilitada. 

Para o Diretor-Geral da Orange Bissau, Seydi Ahmed Sy Sarr, a sua empresa não vai poupar esforços para corresponder ao desafio da visão da empresa produtora e distribuidora da eletricidade para facilitar os clientes da EAGB e permitir que a partir de 10 de julho [início de venda de saldos de eletricidade via telemóvel] corrente não haja rutura em termos de continuidade de serviços. 

De lembrar que a empresa EAGB produz atualmente apenas 15 Megawatts para a capital Bissau. O governo da Guiné-Bissau assinou recentemente um contrato com um consórcio constituído por empresas portuguesas (EDP, ADP e LCBS) para a gestão e controlo da Empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB), durante um período de três anos, financiado pelo Banco Mundial no valor de 3,9 milhões de euros.

Por: Carolina Djemé   

One comment

  1. Amado Camara disse:

    isso é bom sinal vai facilitar muito os clientes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa