Eleições presidenciais: PRS EXORTA A COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES DE MANTER-SE EQUIDISTANTE DAS MANOBRAS DO PAIGC

O Partido da Renovação Social (PRS) exortou a Comissão Nacional de Eleições (CNE) a manter-se equidistante daquilo que considera de “manobras” políticas do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e assumir as suas próprias responsabilidades consagradas na lei.

A advertência feita pelos renovadores na terça-feira, 10 de setembro, consta no comunicado lido na voz de chefe do Gabinete do Conselho Nacional de Jurisdição daquela terceira maior força política no hemiciclo guineense, Anselmo Mendes, numa conferência de imprensa realizada na sede nacional do partido e que contou com a presença de Orlando Mendes Viegas, vice-presidente do PRS e altos dirigentes do partido.

Anselmo Mendes considera de estranhas as divergências de opiniões entre o governo e a Comissão Nacional das Eleições (CNE) no que concerne às correções de Omissões no caderno eleitoral, tendo acusado o executivo de usurpar as competências do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GETAPE) e da CNE, através da criação da Secretaria de Estado da Gestão Eleitoral, que segundo os renovadores, tem a finalidade de fabricar resultados eleitorais a favor do seu candidato.

Mendes insistiu em acusar a Comissão Nacional das Eleições e o Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral de colaborar com os libertadores (PAIGC) na fraude eleitoral durante as eleições legislativas de 10 de Marçoúltimo, dando a vitória com a maioria relativa aos libertadores.

O responsável do Gabinete do Conselho Nacional de Jurisdição assegurou que o seu partido vai avançar com ações previstas na lei para inviabilizar os trabalhos de correções de Omissões levados a cabo pelo governo. No entender dos renovadores, se o governo prosseguir com a iniciativa, que consideram de ilegal, levará o país para mais uma onda da crise política com consequências imprevisíveis.

“A decisão das correções dos dados pessoais, de acordo com a lei, é uma faculdade subjetiva que compete apenas ao cidadão eleitoral num prazo de 15 dias, após a fixação no local de recenseamento”, explicou para de seguida enfatizar que no entendimento do seu partido, seria mais saudável se o governo enveredasse pela via do recenseamento de raiz conforme a lei do recenseamento eleitoral, tendo em conta a fragilidade do estado de direito democrático.

Aproveitou a ocasião para criticar o executivo da maioria parlamentar liderado por Aristides Gomes, que na sua opinião, já entrou em caducidade desde o dia 04 do mês em curso por ter completado 60 dias previstos na lei, sem ter apresentado o programa de governação, seu orçamento e sua consequente discussão e aprovação pelos deputados.

Sobre a apreensão de cerca de duas toneladas de cocaína pela Polícia Judiciária e mais oito suspeitos de tráfico, exigiu do executivo explicações a opinião pública nacional internacional sobre a onda de tráfico de drogas, de acordo com os renovadores, cujo aumento se tem registado no país sempre que Aristides Gomes assume a chefia do governo.

Por: Epifania Mendonça

Foto: E.M

One comment

  1. Quem costuma andar com navalha, suspeita-se do portador da bainha da navalha.
    No princípio não havia o Gabinete Técnico do Apoio ao Processo Eleitoral.
    Foi criada, usurpando as competências de INEC, sem contestação desse instituto fosse atendida.
    Se a criação visava a fabricação de resultados, então a secretária de gestão eleitoral ora criada seria acto contínuo. Continuação do “sumário anterior”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa