GUINÉ-BISSAU AUSENTE NA REUNIÃO DO CONSELHO DA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA

O governo guineense através da Comissão Nacional da Guiné Bissau para o Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) não tomou parte na primeira reunião ordinária do Conselho da Ortagrafia da Língua Portuguesa (COLP) que decorre na cidade do Porto (Portugal) entre 7 e 8 do mês em curso, na Casa de Pernambuco (Porto) em colaboração com IILP e a Universidade do Porto. O COLP é uma estrutura composta por especialistas em ortografia dos Estados-membros da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP), nomeados pelos respetivos países.

O Conselho da Ortografia da Língua Portuguesa tem como a missão acompanhar do ponto de vista técnico a aplicação da norma ortográfica definida pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, de 1990, como também criar um corpo bibliográfico e literário sobre a ortografia do português e sobre a sua gestão e propor modelos de gestão e desenvolvimento do Vocabulário Ortográfico Comum (VOC) e projetos associados, tais como as Terminologias Científicas e Técnicas Comuns (TCTC), em estudo no seio do IILP.

O Democrata apurou que para além da delegação da Guiné-Bissau, a de São Tomé e Príncipe também está ausente da reunião, mas ambos países não justificaram à organização as razões das suas ausências. 

A Comissão Nacional da Guiné Bissau para o IILP é um órgão multissetorial ligado à cultura, que de acordo com as informações apuradas, deveria estar sob a alçada do Ministério da Educação ou da Cultura com representante do ministério dos Negócios Estrangeiros. Segundo uma fonte do ministério da Educação Nacional, estão em curso esforços para a formalização da comissão, contudo a fonte não revelou as razões da não participação da Guiné-Bissau nesta reunião.  

Salienta-se que a sessão de abertura contou com a presença do Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, do Reitor da Universidade do Porto, bem como do Presidente do Instituto Camões, na qualidade de anfitriões da reunião. E após a sessão de abertura, foi rendida uma homenagem aos Professores Doutores Evanildo Bechara, da Academia Brasileira de Letras, e João Malaca Casteleiro, da Academia das Ciências de Lisboa, promovida pela Equipa Central do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC), com apoio do IILP e da Universidade do Porto.

Por: Assana Sambú

2 comments

  1. Amadeu F. Mata disse:

    A criação desse conselho não tem razão nenhuma de se constituir? Está provado que o acordo ortográfico de 1990 está inquinado duma autêntica fraude! Às ratificações de. Cabo. Verde e s. Tomé não existem!

  2. É inacreditável que, apesar das denúncias da gigantesca fraude em torno do “Acordo Ortográfico” de 1990, que têm vindo a público, ande-se a fazer reuniões deste género, insultando a inteligência dos povos que constituem a dita “lusofonia”.
    Louvo as ausências da Guiné-Bissau (que nem sequer entrou neste jogo) e de São Tomé e Príncipe (cuja ratificação não existe). Ao menos, dois países tiveram dignidade, e não foram cúmplices desta farsa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa