PM AFIRMA QUE O CENTRO DE HEMODIÁLISE DA CLÍNICA “MADRUGADA” RESOLVERÁ PROBLEMA DE SAÚDE GUINEENSE

O Primeiro-ministro, Aristides Gomes, disse esta segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020, que o centro de hemodiálise da clínica “madrugada” resolverá grandes problemas de saúde pública guineense e a médio prazo saneará alguns problemas de saúde pública da Guiné Bissau.

As garantias do chefe de governo foram deixadas durante a cerimónia da inauguração do primeiro e único centro de hemodiálise do país que se encontra na Clínica “Madrugada -Dom Settimio Arturo Ferrazzetta”. A inauguração foi antecedida de uma missa celebrada pelo Bispo auxiliar de Bissau, Dom João Lampra Cá, e contou com a presença de várias individualidades, de personalidades de algumas instituições estatais, com destaque para o vice-presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Rui Nené, e da ministra da Saúde Pública, Magda Robalo.

Aristides Gomes disse que o centro de hemodiálise vai ajudar a resolver algumas questões relacionadas às finanças públicas, porque “as despesas que uma evacuação sanitária para o estrangeiro acarreta irão diminuir”.

Lembrou que muitos guineenses foram obrigados a permanecer no estrangeiro, porque o país não tem centros especializados para atender doentes que requerem um tratamento especializado e disse que o ato “é um salto qualitativo para o país”.

Relativamente à situação política pós-eleitoral, Aristides Gomes pediu que sejam cumpridas as decisões do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), porque “o não cumprimento das decisões do tribunal pode levar a um clima não confortante”. 

Assegurou que o governo, no cumprimento da legalidade, participará no ato do apuramento nacional exigido pelo Supremo Tribunal à Comissão Nacional das Eleições (CNE).

“O cumprimento de uma decisão judicial é sempre melhor do que uma decisão arbitrária… E quem decide uma investidura ou não é neste momento o Supremo Tribunal de Justiça”, reforçou.

Presente no ato, a ministra de Saúde Pública,  Magda Robalo, disse que é um alívio o país ter uma unidade para tratamento de problemas renais, apesar de ser insuficiente para cobrir toda a Guiné-Bissau. Neste sentido, revelou que estão  a ser feitas diligências necessárias para que o maior centro hospitalar da Guiné-Bissau, o HospitalNacional Simão Mendes, possa estar em condições de poder prestar serviços especializados, sobretudo o de hemodiálise.


Por: Epifânia Mendonça

Foto: E.M

One comment

  1. Queita Embalo disse:

    Queremos que a saúde pública seja garantida em hospitais públicas, não nas clínicas privadas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa