Cerimónia fúnebre: FAMILIARES E AMIGOS DESPEDEM-SE DO PRESIDENTE NHAMADJO

Dirigentes do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verdo (PAIGC) renderam homenagem ao presidente Nhamadjo. o ambiente era de silêncio insurdecedor, cheio de emoções, apenas com poucas pessoas que se podiam contar pelos dedos da mão. 

O Democrata esteve no período de manhã na sede do partido, mas não conseguiu vislumbrar o interiorda sala, em virtude da opacidade provocada por uma cortina negra protetora. Não deu para identificar o rosto de quem se encontrava do outro lado. Pouco depois de o repórter, ter deixado a sede dos libertadores, um dirigente da mesma formação política assegurou que o partido tinha estabelecido um programa para homenagear o defunto Presidente. Contudo, não  soube explicar o que terá falhado e levado ao incumprimento do programa estabelecido para a homenagem.

“Sabe, ele sempre dizia que era muçulmano, benfiquista e militante do PAIGC. Creio que depois a caixa funerária passará por ca”, dizia o dirigente no centro da cidade. Outra fonte contatada confirmou que o corpo já tinha passado por lá, antes de ter sido levado para a Assembleia Nacional Popular(ANP). 

Mistério ou não!!! Ninguém conseguiu explicar por que razão o corpo de Presidente Nhamadjo não foi a enterrar na Fortaleza da Amura, em Bissau. O repórter seguiu para a residência do defundo Presidente de Transição, no   Bairro Militar, preferias da capital. No local, encontrou também tudo calmo, embora fosse cedo para medir o estado emoções das pessoas, sem a presença do corpo para o último ADEUS. 

No cumprimento das medidas de prevenção e de combate ao novo Coronavírus, uma equipa da Cruz Vermelha da Guiné-Bissau foi colocada à entrada que dá acesso à casa de Serifo Nhamadjo, com baldes de lixívia para as pessoas lavarem as mãos, o que tem funcionado bem.

CHEGADA DO CORPO À CASA DO MALOGRADO

Depois da chegada da urna proveniente da ANP, onde foi velado e recebeu as honras do Estado, os fiéis muçulmanos rezaram antes de a urna ter sido descida ao túmulo, a sua última morada. A reza éum ritual obrigatório da religião muçulmana e faz-se a todos os muçulmanos praticantes, em vida.

As vinte uma salvas de tiro de canhão da praxe nestes casos,  não foram disparadas no local.

Entretanto, o funeral do Presidente da República de Transição contou com as presenças do presidente da ANP, Cipriano Cassamá, do primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabian, de alguns membros do governo e dirigentes do PAIGC, partido do qual era militante e dirigente e outras personaliades da sociedade guineense.


Por: Filomeno Sambú

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa