LIBERTADOR DA ILHA DE KOMO ESQUECIDO NA VILA DE CATUNGO

Uma equipa da reportagem do jornal O Democrata deslocou-se este fim-de-semana ao bairro de Antula Bono, concretamente em Djogoró (periferias da cidade de Bissau), onde mora uma figura que transportava guerrilheiros e munições do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) das zonas libertadas para as matas da ilha de Komo (Tombali). O nosso jornal falou com o combatente que lamenta em como a sua contribuição para a libertação do país foi simplesmente ignorada e esquecida.

Trata-se de Quedelé Na Ritche, um homem de mais de dois metros de altura, 87 anos de idade, mas com um físico bem-disposto graças aos produtos naturais que produz para garantir a sua sobrevivência, segundo a sua explicação.

A Ilha de Komo tornou-se num dos símbolos da luta do PAIGC devido a uma operação alí protagonizada pelas tropas portuguesas que pretendiam recupá-la nos primeiros meses de 1964. A batalha durou 72 dias e é considerada pelos especialistas em guerras africanas e na história da luta de libertação como a maior batalha das guerras africanas de Portugal. O PAIGC conseguiu impedir o regresso de militares portugueses à base estratégica na ilha, graças aos esforços e a coragem dos seus guerrilheiros que eram abastecidos por Quedelé Na Ricthe que transportava homens e munições numa canoa a remo da zona libertada para as matas de Komo.

O ex-combatente encontra-se neste momento a residir em casa de um sobrinho em Djogoró (Bissau). Mas o herói de Komo reside oficialmente na sua terra natal em Katungo, no sul do país (Tombali, sector de Komo). A nossa reportagem soube que o papel desempenhado pelo ex-combatente Na Ritche na batalha com o mesmo nome foi reconhecido pelo próprio líder da guerra, Amílcar Cabral, que o mandara chamar a Conakri (base do partido) a fim de lhe prestar uma justa homenagem, em gesto do reconhecimento pela sua contribuição.

FUI MOBILIZADO PELO GENERAL NINO VIEIRA, AQUANDO DA SUA PASSAGEM PELA NOSSA ALDEIA

Quedelé Na Ricthe contou à nossa reportagem que foi mobilizado para aderir a causa da luta pela independência pelo falecido Presidente da República, General João Bernardo Vieira “Nino”, aquando da sua passagem pela sua aldeia natal Katungo. Acrescentou ainda que Nino se fazia acompanhar do seu colega, Buota Na Fantchamna que aderira muito cedo a causa da independência.

“Foram o Nino Vieira e o meu colega Buota Na Fantchamna que me mobilizaram. Incumbiram-me a tarefa de prosseguir com a mobilização de jovens na nossa aldeia inclusive das outras tabancas que compõem o sector do Komo”, explicou o ex-combatente.

Na Ritche assegurou ainda que fazia parte de uma barraca do partido que se encontrava nas matas de Komo e que tinha como companheiros o comandante Pansau Na Isna, o Buota Na Batcha, bem como alguns camaradas que foram enviados para aquela zona para ajudar na defesa da ilha que os portugueses queriam recuperar a todo custo. O nosso entrevistado contou que o capitão português, a sua chegada à ilha, intensificou os combates usando caças, helicópteros, bombas de artilharia pesada acompanhados de colunas de infantaria bem equipados.

Mas os guerrilheiros do partido conseguiram resistir e protegeram a ilha do exército português, tendo sustentado que até os seus próprios colegas reconheceram os seus esforços no transporte de homens e munições da zona libertada para as matas da ilha sem ser visto pelas tropas portuguesas que tinha homens e outros meios para controlar o rio.

“Carreguei material bélico e homens de canoa a remo para levá-los até as matas da ilha, onde se encontrava a barraca dos guerrilheiros. Muitas vezes andamos a noite e as vezes durante o dia. Conhecia a zona muito bem por isso sempre consegui passar bem por “baixo dos narizes” da tropa portuguesa que nem sequer percebia que ia passar pelo rio”, contou.

Solicitado a pronunciar-se sobre como fazia as suas façanhas, se tudo era por um poder sobrenatural ou algo normalíssimo, o ex-combatente limitou-se a explicar com um sorriso que conhecia bem o rio, pelo que passava facilmente sem ser descoberto pela tropa portuguesa.

“CABRAL CONSIDERA-ME DE LIBERTADOR DA ILHA DE KOMO”

Quedelé Na Ritche disse não estar arrependido por ter contribuído para a libertação nacional. Disse que se sente particularmente satisfeito por tudo o que fez para proteger a ilha de Komo que os portugueses queriam recuperar devido a sua situação geográfica. Revelou que o próprio Cabral considerava-o como libertador da ilha de Komo por causa do seu papel no transporte de homens e munições sob intenso bombardeamento.

“Não me sinto arrependido, porque fui a luta com a convicção de combater para libertar a minha terra do jugo colonial. O exército português matou o meu colega da infância que também estava na mata a combater, cortaram-lhe pescoço como se fosse uma galinha. Isso foi uma das causas que me motivou mais a lutar pela independência, porque achava que uma vez que nos libertássemos, viveríamos livres na nossa terra”, assegurou.

Lembrou neste particular que a batalha de Komo fora uma batalha dura que tanto os guerrilheiros e o próprio exército português sentiram, porque muita gente perdeu a vida na batalha e houve quem ficasse deficiente fisicamente devido a ferimentos de bala.

“A Batalha de Komo durou dois meses e meio de intensos bombardeamentos das forças portuguesas que pretendiam recuperar a ilha com toda a força. Nós, com a nossa coragem, conseguimos resistir, apesar dos parcos meios na altura. Conseguimos resistir em nome da liberdade. A população, sobretudo as mulheres e as crianças, foi a maior vítima da batalha de Komo. Como se sabe, é uma ilha e a população decidiu refugiar-se num ilhéu para se proteger. Quem não conseguiu chegar às localidades mais seguras morreu devido aos bombardeamentos dos tugas”, vincou.

“FUI ESQUECIDO PELO PARTIDO COMO SE ESQUECEU TAMBÉM DA ILHA DE KOMO”

O ex-combatente Quedelé Na Ritche lamentou o facto de nunca ter sido chamado pelo partido para qualquer cerimónia oficial. Nem sequer as autoridades se lembram dele para as cerimónias comemorativas nos dias que marcaram a luta de libertação. Sustentou que desde a independência até a data presente ninguém se lembrou dele, muito menos o partido que serviu durante a luta de libertação.

“Fui esquecido pelo partido como se esqueceu também da ilha de Komo, que para ele (partido) não faz parte desta terra”, disse o ex-combatente visivelmente emocionado.

Na Ritche contou que se sente uma pessoa abandonada apesar de tudo aquilo que fez no passado para a libertação do país. Porém afirmou que nada pediu a quem quer que fosse e que deseja apenas que seja considerado como uma pessoa que deu a sua vida e o seu esforço para a liberdade da Guiné-Bissau e do seu povo.

Lembrou ainda que chegou a beneficiar de um apoio do Presidente Nino Vieira que mandou um helicóptero buscar o seu filho na sua aldeia porque este tinha beneficiado de uma bolsa de estudos para Cuba. Acrescentou que o seu filho foi estudar, mas infelizmente regressou “doente da cabeça” (maluco) e que nunca mais conseguiu a total recuperação.

“Sinto-me uma pessoa perdida na vida… estou com dores no coração até hoje pelo sofrimento por causa da doença do meu filho. Agradeço e sempre agradecerei o Presidente Nino pelo gesto de amizade, apesar do destino ter ditado outra saída o que acabou por consumir a nossa esperança”, lamentou o ex-combatente com voz trémula de dor que lhe consumia o coração.

BIOGRAFIA

O ex-combatente Quedelé Na Ritche, nasceu no dia 15 de Março de 1928, em Katungo no sul do país (sector do Komo). Integrou na fileira do partido no início do ano 1962, aquando da mobilização de jovens influentes para a causa da independência.

Foi um dos responsáveis do partido para a mobilização de jovens na sua vila, bem como nas tabancas que compõem o sector de Komo. Não beneficiou de nenhuma formação militar para uma determinada especialidade. Aprendeu com os seus colegas no início da luta a especialidade da infantaria. Obteve grande sucesso o que levou para muito longe o seu nome.

Foi quem transportava homens do partido e munições para as matas. A coragem e as habilidades demonstradas no rio durante a batalha de Komo fizeram chegar o seu nome aos ouvidos do líder da guerra, Amílcar Cabral em Conakri. Foi considerado por Amílcar do “libertador de Komo” devido o seu desempenho.

Por: Assana Sambú

4 comments

  1. tidjane valdez disse:

    na minha opiniao nao podemos deichar perder e nen esquecer este homem que desde jovem o amilcar que o pai da nossa independencia deu lhe confiança e o poder para poder combater pela patria , temos que honrar este homem

    • Bedante Nhanru disse:

      Realmente é um homem que deve ter o seu lugar na historia da luta de libertação da Guiné-Bissau. porque, ninguém pode narrar a historia da nossa luta sem ter que falar da batalha de Ilha de Como. este homem de nome Quidele na Ritche, é um homem como os outros que muito deram para que os nossos inimigos da colônia não reocupassem esta Ilha que na altura, como desse que era considerado como a zona libertada para o PAIGC. jogou um papel muito importante para concretização de sonhos dos nossos combatentes e não vale pena mostrar em detalhes de quem era este homem que é hoje abandonado para quem lhe conhece. eu pessoalmente lhe conheço como o meu avo e me deu uma vez a pequena do historia sobre a batalha de Como, porque ouvimos falar desta batalha e vem sempre o nome dele na narração do passado da luta de Como. em conclusão, devemos o respeito, a honra aos que deram a vida pela libertação desta terra que hoje estamos a brincar com ela e é o que estamos a pagar hoje, porque a pessoa que não respeita o seu pai, ele não será abençoado pelo DEUS e será o filho de (Praga). Realmente é um homem que deve ter o seu lugar na historia da luta de libertação da Guiné-Bissau. porque, ninguém pode narrar a historia da nossa luta sem ter que falar da batalha de Ilha de Como. este homem de nome Quidele na Ritche, é um homem como os outros que muito deram para que os nossos inimigos da colônia não reocupassem esta Ilha que na altura, como desse que era considerado como a zona libertada para o PAIGC. jogou um papel muito importante para concretização de sonhos dos nossos combatentes e não vale pena mostrar em detalhes de quem era este homem que é hoje abandonado para quem lhe conhece. eu pessoalmente lhe conheço como o meu avo e me deu uma vez a pequena do historia sobre a batalha de Como, porque ouvimos falar desta batalha e vem sempre o nome dele na narração do passado da luta de Como. em conclusão, devemos o respeito, a honra aos que deram a vida pela libertação desta terra que hoje estamos a brincar com ela e é o que estamos a pagar hoje, porque a pessoa que não respeita o seu pai, ele não será abençoado pelo DEUS e será o filho de (Praga).

  2. Nadine Dominicus disse:

    Sou a Nadine Dominicus, escritora e historiadora belga. Chegei a Bissau logo apos Independencia para ensinar no Liceu e na Escola de Administraçao. Durante varios anos visistai tabancas a començar pelo sul para entrevistar pessoas que tinhan vividos a Luta de >Libertaçao. Istou com intençao de fazer compreender melhor o que eles viviam mas do que escrever um livro de guerra. Não entanto, o meu romance “Morrer de Pé” publicado em françês em Dakar (1983) tem um capitulo dedicado a Batalha de Como, operação Tridente pelos Tugas. A Batalha foi dirigida por Nino a partir de Cubucaré, mas no terreno enterramente por Pansau na Isna. No meu romance o “Kidele” tem tambem o seu lugar…
    O editor acabou de existir mas Espero poder publicar de novo com outro editor.
    [email protected]

  3. Balakov Naritche disse:

    Grande combatente ,os nossos combatentes não merecem isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa