MADEM-G15 E PRS SOLICITAM DEBATE DE URGÊNCIA SOBRE A SUPOSTA VENDA DOS ARMAZÉNS DO POVO

As bancadas parlamentares do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM G-15), do Partido da Renovação Social (PRS) e do Partido Nova Democracia (PND) pediram esta-sexta-feira, 17 de julho de 2020, um debate de urgência para a próxima sessão parlamentar na ANP sobre a suposta venda, por Aristides Gomes, dos Armazéns do Povo.

O debate de urgência solicitado pela nova maioria parlamentar foi anunciado aos deputados pelo presidente da Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassamá.

Em reação ao anúncio feito por Cipriano Cassamá sobre o assunto, o líder da bancada parlamentar do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Califa Seide, exigiu a apresentação de elementos de prova para poder aceitar o agendamento, porque “é dos poucos aspetos que o regimento dá competência à conferência de líderes para discutir, sem apresentação de elementos de prova”.

Califa Seide defendeu que, para que esse assunto seja agendado e debatido, será preciso apresentar elementos de prova documentais sobre a venda ou arrendamento dos “Armazéns do povo” e outros elementos.

O líder da bancada do PAIGC deixou entender que na segunda-feira, os requerentes terão primeiro que apresentar as provas documentais  à conferência de líderes para análise e provavelmente só na terça-feira, 21 de julho, os deputados iniciarão os debates, se se justificar.

João Alberto Djatá, deputado do PRS, assegurou que até segunda-feira serão apresentados elementos ou indícios que provam que o ato terá sido praticado por Aristides Gomes e não serão apresentadoselementos de prova “como pediu o líder da bancada parlamentar dos libertadores”.

“Os elementos de provas documentais devem ser apresentados ao juiz, não aos deputados”, precisou.

O deputado de Assembleia do Povo Unido-Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), UmaroConté, aconselhou que o assunto seja discutido assim que existirem provas ou elementos que comprovem a venda ou o arrendamento. Contudo, disse não estar contra o seu agendamento, mas sublinhou que “devemos assumir as nossas responsabilidades”.

Por sua vez, o deputado da bancada parlamentar do MADEM G-15, Braima Camará, que levantou essa questão na sessão anterior, disse que a exigência de provas que estão a ser feitas pelos deputados não respeita o princípio estabelecido à luz do regimento da ANP.

Acrescentou que antes da interpelação feita aos membros do governo, nenhum deputado apresentou elementos de prova sobre o mesmo assunto, mas prometeu juntar todos os elementos de prova, contrato assinado e o valor do arrendamento pago para 52 meses, porque “em nenhum momento faria uma denúncia se não existissem provas”.


Por. Aguinaldo Ampa

2 comments

  1. D.C disse:

    Assim mesmo quero ver o meu País, Obrigado Ao G-15 continuem a Denuyque estão a fazer porque só assim podes avançar todos e tudo tem que ser responsável do seus atos ninguém está acima da lei só agradeço que sejam consistente em toda a linha se for assim o G-15 já garantiu o meu voto nos futuros próximo, obrigado a democracia vamos trabalhar que Deus abençoe Guiné bissau a guineenses em geral

  2. Se é verdade é pautar pela transparencia no que respeita a venda ou alugação de propriedades dos estado, os deputados como representantes do povo “” devem debater este assunto sem cor partidaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa