Cimeira da CEDEAO: PRESIDENTE SISSOCO CONSIDERA MAIS GRAVE A SITUAÇÃO NA GUINÉ-CONACRI EM RELAÇÃO A DO MALI

O Presidente da República, Úmaro Sissoco Embaló, considerou esta segunda-feira, 27 de julho de 2020, que a situação da crise sociopolítica na República vizinha da Guiné-Conacri é mais grave em relação ao problema político que se regista atualmente no Mali.

O Chefe de Estado guineense fez estas considerações aos jornalistas depois da cimeira extraordinária (virtual) dos Chefes de Estado e do Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental sobre a crise política no Mali, na qual afirmou que acompanha as manifestações políticas em Conacri e nas quais se tem registado vítimas mortais, por isso “é importante sanear a situação da Guiné-Conacri, embora seja verdade que a situação do Mali é complicada”.

Embaló explicou aos jornalistas que estão sendo criadas condições para a resolução pacífica da crise no Mali e o consequente  restabelecimento da confiança entre os protagonistas.  Acrescentou que despertou a atenção dos seus homólogos na cimeira, no âmbito da prevenção de conflitos, sobre a importância de um acompanhamento da evolução sociopolítica e de segurança nos países da sub-região, em particular na Guiné-Conacri, tendo em conta a crescente situação de tensão. 

“Devemos agir em respeito escrupuloso aos dispositivos da nossa comunidade e às demais normas internacionais em matéria de restabelecimento da paz e segurança, sem perder de vista o imperativo moral de solidariedade necessária para a sobrevivência da nossa comunidade como um todo”, referiu.

Sissoco exortou ao diálogo entre os autores políticos e sociais do Mali de formas a tirar aquele país francófono da sub-região da crise em que se encontra, contudo, defendeu que a destituição de Presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keïta não pode ser discutida, porque a “decisão de ser ou não destituído cabe aos malianos através das eleições”. 

Assegurou que os Chefes de Estado e do Governo decidiram, na cimeira, dar um prazo de dez dias ao presidente maliano, para resolver a situação da crise no seu país. 

Sobre o assalto à estação emissora privada Rádio Capital FM, Úmaro Sissoco Embaló aproveitou os microfones dos jornalistas para manifestar a sua solidariedade com a direção e os funcionários da rádio, vítima de vandalização perpetrada por homens  fardados e armados com AK-47. Exortou neste particular as autoridades judiciais no sentido de apurarem a responsabilidade e identificarem os autores do assalto.

“Estamos num país democrático. Apesar de a democracia exigir alguns parâmetros, este tipo de acontecimentos não pode ser considerado normal”, notou.


Por: Epifânia Mendonça

One comment

  1. Quens Fernandes disse:

    Gostaria de compartilhar um provérbio chinês quanto a esta notícia ” antes de começar o trabalho de mudar o mundo dê sete voltas a sua casa”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa