Caso Simões Pereira: ADVOGADOS DO PAIGC PEDEM DEMISSÃO DO PGR FERNANDO GOMES PELA “INCOMPETÊNCIA”

O porta-voz do coletivo dos advogados do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Carlos Pinto Pereira, pediu esta sexta-feira, 23 de julho de 2021, a demissão do Procurador-Geral da República, Fernando Gomes, que está a demonstrar “incompetência” devido a prática  de atos contra a lei.

O advogado fez estas afirmações durante uma conferência de imprensa realizada na sede principal dos libertadores, em Bissau, para reagir sobre o documento assinado pelo PGR ainda hoje. Frisou que  o Procurador-Geral da República, enquanto fiscal da legalidade é “quem está a incumprir e violar a lei, de forma escandalosa ao ponto de recorrer à mentira para justificar um ato absolutamente ignóbil”. Adiantou que o documento produzido pelo Procurador-Geral da República é forjado para interditar a viagem do Domingos Simões Pereira ao estrangeiro.

“O primeiro fato falso é dizer que o Domingos Simões Pereira é suspeito, sendo que por lei ninguém pode ser constituído suspeito, sem ser ouvido. O líder do PAIGC nunca foi declarado suspeito em momento algum, porque a tentativa de o fazer falhou  quando a Assembleia Nacional Popular decidiu recusar levantar a imunidade parlamentar ao deputado Simões Pereira”, notou.

Carlos Pereira explicou que o presidente do PAIGC na qualidade de deputado da nação, não pode ser aplicada nenhuma medida de coação sem que a sua imunidade parlamentar seja levantada. Acrescentou que o Procurador-Geral da República, o “dito fiscal da legalidade, manda aplicar uma medida de coação de forma duplamente ilegal, porque PGR sabe e bem que ele não é magistrado e não está fazê-lo no quadro de um processo”.

“Ainda que estivesse no quadro de um processo, há um acórdão do Supremo Tribunal de Justiça que delibera numa questão de inconstitucionalidade, que aquela norma do processo do código penal autoriza o Ministério Público aplicar medidas de coação privativas ou limitativas da liberdade dos cidadãos é inconstitucional, portanto ele está agir contra a lei”, esclareceu.

Assegurou que além do PGR ter estes pressupostos falsos de fato e de direito infundada, enfatizou que “Fernando Gomes volta a ter outra falsidade, quando na carta refere que está a executar essa medida, porque sabe que vai haver sessão parlamentar extraordinária em que o assunto da imunidade parlamentar do Domingos Simões Pereira será discutida”.

Por: Aguinaldo AmpaFoto: A.A           

3 comentários

  1. Procurador incompetence

  2. Tendo enconta os acontecimentos registados desde do inicio de atual regime no Pais , esta claro que estamos numa ditadura total. Cada dia que passa aparece provas de tudo isso , quero somente relembrar o recente caso da UNTG, os dois jevens de bafata que protestavam a falta de corrente eletrica , sem falar dos que foram espancados na propia presidencia da Republica etc… A verdade é que ninguém esta seguro para exercer sua liberdade como cidadão .

  3. Não entendo, um Procurador Geral da República sem ter mínima formação na área que eserce é nomeado para tal. Só pode ser na Guiné Bissau, onde a lei e a democracia não funciina.

Deixe um comentário para Ailton Mario Jr Cancelar resposta

Seu e-mail não será publicado.