Crise Política: PRS DEFENDE NOMEAÇÃO DO PRIMEIRO-MINISTRO E REALIZAÇÃO DE ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

O Secretário-Geral do Partido da Renovação Social (PRS) afirmou esta terça-feira, 30 de Janeiro de 2018, que o maior desejo do PRS é que se nomeie um governo e se realize as próximas eleições legislativas na data prevista.

A posição foi manifestada por Florentino Mendes Pereira à saída de um encontro com o Chefe de Estado guineense, José Mário Vaz no âmbito de auscultação aos partidos políticos com assento no Parlamento para a nomeação de um novo chefe de governo.

“Seria bom e, desde logo, solicitamos que todos abraçassem essa ideia de organizar as eleições num prazo de três meses e se ter um governo para dirigir esse país nos próximos dias, para tirar o país da situação em que se encontra”, refere.

O Secretário-geral dos renovadores não comentou se o partido aceita ou não o nome de Augusto Olivais para o cargo de Primeiro-ministro, mas teve tempo para explicar que o nome de Olivais não foi o objeto de discussão com o Presidente da República, José Mário Vaz.

Questionado se o seu partido apoia qualquer nome proposto pelo Chefe de Estado, Florentino Pereira sublinha que não está em causa a questão de apoiar ou não, mas sim, esclarece que “estamos perante o cumprimento de uma das formalidades constitucionais para a nomeação de Primeiro-ministro”.

O Ministro da Energia e Indústria do governo demitido conclui que é necessário que os políticos baseassem os seus comportamentos nas leis do país e na lei magna, a Constituição da República.

Sustenta, contudo, que a Guiné-Bissau não vive momentos de rotura constitucional, “portanto devemos basear os nossos comportamentos nas leis do país, a nossa Constituição está em vigor e as instituições da República estão a funcionar”.

Por sua vez, Mamadu Iaia Djaló, líder do Partido da Nova Democracia (PND), disse ter recebido garantias do Presidente que irá nomear o Primeiro-ministro e marcar a data das eleições de acordo com o calendário eleitoral e da Comissão Nacional das Eleições (CNE), mas sem ter indicado os nomes.

“Não nos pediu sugestão relativamente aos nomes, portanto não podemos avançar nada. Limitou-se a informar que irá trabalhar na nomeação do Primeiro-ministro e a formação de um governo que vai empenhar-se na realização das próximas eleições e marcará a data dentro do calendário eleitoral”, disse Iaia Djaló.

Relativamente aos nomes para o cargo do Primeiro-ministro e para o presidente da CNE, Iaiá Djaló remete comentários ao chefe de Estado, a quem é reservado o poder constitucional de nomear. Contudo, volta a dizer que a posição do seu partido é o cumprimento escrupuloso do Acordo de Conacri.

Na sua opinião, o Parlamento deve funcionar enquanto órgão responsável para a nomeação do presidente da CNE. No encontro de auscultação desta terça-feira com Presidente da República para nomeação do novo primeiro-ministro, apenas compareceram o Partido da Renovação Social (PRS) e o Partido da Nova Democracia (PND). O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-verde (PAIGC), União Para Mudança (UM) e o Partido da Convergência Democrática (PCD), não se deslocaram ao palácio da República.

 

 

 

Por: Epifania Mendonça   

 

 

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.