ADVOGADO FERNANDO GOMES ACUSA BACARI BIAI DE NÃO FAZER NADA SÉRIO PARA COMBATER A CORRUPÇÃO

O Coordenador da “Frente Nacional de Luta Contra Corrupção no Aparelho Judiciário da Guiné-Bissau”, Fernando Gomes, acusou esta quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019, o Procurador Geral da República Bacari Biai, de não estar a fazer nada sério na luta contra a corrupção. Pelo contrário, está a promover a corrupção no ministério público.

Fernando Gomes falava numa conferência de imprensa sobre a instauração de um processo crime contra a sua administração em 2010, enquanto ministro da Função Pública, realizada no escritório daquele coletivo dos advogados, em Bissau.

Fernando Gomes disse que o processo contra a sua pessoa só veio à praça pública depois de ter entrado com um processo denunciando atos de corrupção de quatro magistrados nomeadamente, Mário Yalá, Blimate Sanhá, Lassana Camará e Tomás Vaz.

Aquele advogado assegurou que o atual Procurador Geral da República não é sério porque os magistrados corruptos como Mário Yalá, Blimate Sanhá, Lassana Camará e Tomás Vaz, sem revelar o tipo de ato de corrupção, ainda continuam a exercer como magistrados.

“Fizemos uma denúncia seguida de uma apresentação de queixa contra esses magistrados por atos de corrupção há quase um ano. Porém ainda nada foi feito sobre o assunto, mas outros processos contra políticos e cidadãos alegadamente por atos de corrupção estão a avançar muito rápido. Portanto, Bacari Biai está a fazer o seu jogo porque quem não está suja não pode proteger pessoas sujas”, acusa Gomes.    

Fernando Gomes desafiou e convidou Bacari Biai para um debate público para esclarecer o assunto de corrupção no ministério público aos cidadãos nacionais e internacionais de uma vez por todas. Acrescentou que se o Procurador Geral da República é um lutador contra a corrupção, então deve aceitar o convite.

Para o José Paulo Semedo, advogado do Fernando Gomes neste processo, os magistrados acusados de corrupção organizaram um processo contra o seu cliente para humilhá-lo na praça pública, lançando o comunicado nos órgãos da comunicação social porque não têm nada, nenhuns elementos para acusá-lo e avançaram logo com a medida cautelar de limitação da sua liberdade de circular, mesmo sabendo que não têm essa competência. Prova disso foi que o Juiz de Instrução Criminal pronunciou-se dizendo que aquela decisão é inexistente.

Por: Aguinaldo Ampa

Foto: A.A    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa