Desporto: TACIANA DEIXA ARENA DE JUDÔ EM 2016 E QUER TREINAR A SELEÇÃO

A judoca nacional, Taciana Rezende de Lima Baldé, revelou numa entrevista exclusiva a’O Democrata que o seu maior sonho é de desenvolver um projecto de judo escolar na Guiné-Bissau com o apoio da Federação Internacional (FIJ) da modalidade que já ajudou alguns países.

A FIJ já disponibilizou apoios de género para criação de escolas que vão educar crianças, ensiná-las sobre o desporto, em especial a modalidade de Judô. A judoca avançou ao nosso jornal que pretende pendurar a sua “Kimono”, roupa que profissionais de judo usam na arena para os combates, depois dos jogos Olímpicos 2016 no Rio de Janeiro para de seguida assumir os comandos da selecção nacional de judô.

Taciana Baldé arrecadou nove títulos apenas neste ano de 2014. O último Ouro foi conquistado no Campeonato africano de Judô realizado nas Ilhas Maurícias, quando defendeu com êxito o seu título de campeã de 2013 em Maputo (Moçambique).  Esta última vitória fez da Taciana a bicampeã africana, primeira classificada no ranking africano e sexta colocada no ranking mundial da Federação Internacional de Judô.

Além do título de campeã africana, Baldé foi bronzeada na grand slam de Abu Dhabi – Emirados Árabes, Grand Slam Tyumen, Rússia e Grand prix Zagreb, Croácia. Foi medalha de bronze na Grand prix Samsung, Turquia e European Open Varsóvia, Polónia, medalha de prata na European open em Roma, Itália e foi a medalha de ouro nos jogos da lusofonia em Goa, Índia. A atleta sublinhou que o ano 2014 foi a melhor em toda a sua carreira de judoca.

O DEMOCRATA (OD): Taciana como vai a sua carreira profissional de judoca?

TACIANA REZENDE DE LIMA BALDÉ (TLB): Fazendo um breve historial, comecei minha carreira em 1998, quando integrei a selecção brasileira. Tinha apenas 14 anos. Em 2013 fui conhecer o meu pai, depois dos meus 29 anos. Encontramo-nos pela primeira vez em Bissau. A partir daquela data, senti que precisava fazer alguma coisa para a Guiné-Bissau. Achava que se pudesse trocar a selecção brasileira pelas cores da Guiné-Bissau podia trazer muita alegria ao desporto guineense, em particular o judô que poderá ser mais visto, estimulando as outras pessoas a praticarem o desporto.

Representei a Guiné-Bissau pela primeira vez no Campeonato da África em 2013, realizado em Maputo, Moçambique, onde fui a campeã de África. A partir dali as coisas só têm melhorado e este ano foi o melhor dos meus 20 anos nessa carreira de judoca. Obtive nove medalhas internacionais, fui ouro nos jogos da lusofonia. Também ganhei uma medalha de ouro e outro de prata em copas do mundo e alguns bronzes em grand slam e grand prix. Acabo o ano como a sexta do ranking mundial e a primeira do ranking Africano.

D: Foi fácil a sua decisão de trocar o Brasil pela Guiné-Bissau?

TLB: Não foi tão fácil, mas na tomada das decisões desse género a pessoa tem de estar muito certa daquilo que esta a fazer. Uma vez trocado o Brasil pela Guiné-Bissau, não se pode mais voltar atrás. Mas também não me arrependo por ter escolhido a Guiné-Bissau. Deixei para trás os apoios do Governo brasileiro e dos clubes, muita gente me perguntou se eu ia ter essa coragem. Respondi que sim, que teria, porque alguma coisa me dizia que tinha que fazer isso. É a realização de um sonho para mim, por isso, não me arrependo.

Assim como em todos os lugares do mundo que vou e em todos os torneios que participo, as pessoas sempre vêem-me perguntar, onde fica a Guiné-Bissau. Eu tenho que explicar que fica na Costa Ocidental da África e muitas pessoas que não conheciam o nosso país, ficam a conhecê-lo através das minhas participações. Isso para mim também é uma questão de orgulho a par das mensagens que recebo nas redes sociais do povo da Guiné-Bissau sempre atento as minhas participações nas provas. As pessoas estão felizes com as minhas conquistas e ficam orgulhosas por eu estar a representar a Guiné-Bissau e colocando a bandeira do país nos pódios do desporto mundial. Isto já é uma grande satisfação para mim.

Obviamente que não é fácil. Precisamos do investimento no desporto, no desporto de alto rendimento temos de treinar duas vezes por dia de segunda a sábado e para isso temos de ser disciplinados, desde a alimentação até na parte psicológica. Estes são os investimentos que cada atleta tem que poder fazer por si. Não é fácil, mas é muito prazeroso quando a gente gosta. É isso que eu gosto de fazer.

D: Para si que sabor tem em representar a Guiné-Bissau nos palcos internacionais?

TLB: Eu estou muito feliz em estar a demostrar ao povo até onde as pessoas podem ir, através do desporto. O desporto também é educação, o desporto tira os adolescentes de uma vida de drogas para uma vida digna na sociedade e o desporto ajuda a promover e aumentar a nossa cultura. Querendo ou não, em cada competição que eu vou a diferentes lugares do mundo, é uma cultura que eu conheço. Para mim isso é uma aprendizagem não só desportiva. Então constitui um motivo de felicidade para mim e quero ainda continuar no mínimo até aos jogos Olímpicos 2016.

D: Falando das dificuldades, será que a Taciana tem recebido apoios das autoridades guineenses?

TLB: Tenho recebido alguns apoios do Comité Olímpico da Guiné-Bissau para as minhas participações em algumas competições. Da parte do Governo recebi um apoio para a minha participação no último campeonato Africano. Foi no último do ano, nas Ilhas Maurícias, e conquistei a medalha de ouro.

Devido às dificuldades financeiras, fui obrigado a optar em fixar residência em Portugal, sendo a cidade de Lisboa um lugar que facilita as minhas deslocações para os pontos onde a maior parte das provas são realizadas. Os bilhetes são mais baratos de Portugal para qualquer ponto da Europa. Mesmo assim ainda preciso de apoio de empresas para que possa treinar adequadamente até aos jogos Olímpicos 2016.

Acredito que o Governo vai desenvolver um projecto para os seus atletas. Não apenas eu, mas para todos os atletas das diferentes modalidades que compõem o nosso desporto nacional, para que possamos estar bem representados nos campeonatos africanos, assim como nos jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, Brasil.

D: Como foi essa sua mudança do Brasil para Portugal?

TLB: Resolvi tudo no final de 2013. Achei que uma eventual mudança para Portugal seria importante para mim. Também tenho o apoio da (FIJ) que me dá algumas possibilidades de participar em algumas competições durante o ano. O gesto da FIJ contribuiu bastante na minha subida do ranking, porque no circuito mundial há sempre duas competições por mês. Então para constar entre os 14 melhores, o que garante a participação nos jogos Olímpicos, tem que estar sempre a competir. A FIJ apoia-me em algumas competições, não muitas. Aliás, esta organização condiciona o seu apoio a minha estada na Europa.

Por outro lado, o lugar mais barato e com boas condições para treinar judo, na minha visão era Lisboa. Por isso resolvi fazer essa troca. A minha família ficou toda no Brasil, vim sozinha. Claro que não é fácil. É bom quando a gente enfrenta dificuldades estando perto da família. Mas é um sonho, estou construindo um trabalho e quero leva-lo até ao fim. Neste momento tenho como objetivo os jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro.

Quando resolvi mudar para Lisboa quem me apoiou foi o meu padrasto. Pagava as minhas despesas. Infelizmente ele acabou por falecer em Junho deste ano. Tudo mudou a partir dali. Muita coisa mudou na minha situação diária. Agora as coisas não estão a ser fáceis. Continuar os treinos está difícil, mas estou procurando apoios. Acredito que o Governo vai apoiar-me, tornando mais fácil o ano 2015. Apesar de todas as dificuldades, tenho boas memórias de 2014 por ser o melhor dos meus 20 anos de Judô.

D: Sendo a modalidade de Judô um desporto pouco conhecido pelos guineenses, que projecto tem para vulgarizá-lo no país?

TLB: Tenho um projecto e já falei com a FIJ. Eles executam projectos em vários países, desenvolvendo Judô e educação. Já perguntei da disponibilidade da FIJ em garantir materiais para que possa desenvolver o projecto escolar na Guiné-Bissau. A resposta foi positiva. Pediram que apresentasse um projecto que eles apoiariam com materiais. Agora tenho de ir a Guiné-Bissau, sentar a mesma mesa com o Secretário de Estado dos Desportos, expor-lhe a minha ideia e escutar a sua sugestão sobre o projecto. Assim e em conjunto podemos decidir qual será a melhor forma, para de seguida apresentar o projecto a FIJ.

Isso foi um dos maiores objectivos que me levou a trocar o Brasil pela Guiné-Bissau, a fim de poder ajudar a desenvolver o desporto, e para que outras pessoas possam ter a mesma oportunidade que tive na minha vida, através do desporto, É isso que quero fazer.

Este projecto está encaixado na minha cabeça e constitui o meu segundo objectivo depois dos jogos Olímpicos.

OD: Isso demostra que vamos ter a Taciana no país, só depois dos jogos Olímpicos?

TLB: Não. Pretendo vir rapidamente, mas ainda não tenho dinheiro para viajar para a Guiné-Bissau. Mas a minha vontade é de ir se possível para conhecer pessoalmente as pessoas que mandam mensagens, dando sempre aquela força. Para que possa também apresentar as minhas medalhas pessoalmente. Naturalmente que terá outro sabor do que ler pelos jornais ou pela internet. Com certeza que irei à primeira oportunidade.

OD: A Taciana tem na memória, as medalhas já conquistadas ao longo dos seus 20 anos como judoca?

TLB: É um pouco difícil, não consigo lembrar tudo imagina há 20 anos são muitos torneios, mas em 2002 fui medalha de bronze no mundial de juniores, fui campeã do continente americano três vezes e dentro do Brasil fui mais de que dez vezes campeã nacional. Agora pela selecção da Guiné-Bissau fui bicampeã da África em 2013 e 2014, respectivamente. E fui campeã dos jogos da lusofonia e tenho cinco medalhas de ouro em copas do mundo, isso é um breve do meu percurso.

OD: Já solicitou algum apoio da parte das autoridades nacionais, no sentido de preparar os próximos embates para manter a sua sexta posição do ranking mundial, garantindo a sua presença na terra que a viu nascer, o Brasil, em 2016?

TRLB: Estou sempre em contacto com a Guiné. Espero obter resultados positivos, porque já me apoiaram e acredito que vão apoiar ainda mais daqui para frente. Os apoios que já tive sempre tiveram retornos com a conquista de medalhas, isso demostra que continuarei a ganhar apoios vindos da Guiné-Bissau.

OD: Qual é a força que inspira a Taciana nas arenas de Judô, existe uma pessoa especial?

TLB: A minha força é toda minha família. Hoje estou onde estou, graças à única coisa que me deixa triste: o facto de o meu padrasto não estar entre nós, para me ver nos jogos Olímpicos de 2016 no Brasil. Mas com certeza é a minha família que me dá forças. Por isso, dou as minhas forças aos amantes do desporto, em particular os praticantes. Nunca desistam dos sonhos, por difícil que seja, mostrem a todos que é possível vencer os obstáculos, sei que existem muitos talentos a serem descobertos, então que tenham a vontade de crescer. Por isso, gosto dessa frase que diz assim, “O Homem é tamanho do seu sonho”.

Agradeço ao povo guineense, ao Comité Olímpico da Guiné-Bissau e ao Governo por estarem sempre disponíveis para me escutarem e se Deus quiser o próximo ano será o ano de mais conquistas, em particular para a Federação Nacional de Judô que me tem acompanhado neste ano 2014.

 

OD: Enquanto profissional de Judô, que decidiu trocar o Brasil pela Guiné-Bissau tem acompanhado a situação sociopolítica guineense nos media?

TLB: Sim acompanho um pouco através da internet, vi que a Guiné-Bissau obteve uma grande mudança, mas para, além disso, não posso dar mais opiniões, devido a poucas informações que tenho. Pelo que vejo, acho que as coisas estão a melhorar com esse Governo. As coisas podem melhorar ainda mais. É apenas uma questão de termos paciência e acreditar em quem está no comando.

OD: Desculpe pela pergunta, entrando um pouco na sua vida privada, Taciana é casada ou tem filho?

TLB: Tenho um filho, mas não consigo conciliar a vida de desportista e cuidar de uma família. Em princípio lutarei para as olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro e não lutarei mais, porque pretendo ter filhos e montar uma família.

OD: Significa que depois das olimpíadas a Taciana vai pendurar a sua Kimono, mas continuará ligada ao desporto, em particular Judô?

TLB: Em principio achei que em 2016 não praticarei mais, mas como é uma grande paixão não posso garantir a cem por cento. Em principio em 2016 se Deus quiser, com uma medalha Olímpica não só para mim, mas para os outros atletas da Guiné, pretendo passar a trabalhar com crianças, montar escolas e ser seleccionadora da selecção de Judô da Guiné-Bissau.

 OD: Pensa instalar-se no país depois das olimpíadas de 2016 ou permanecer em Portugal, mas sempre apoiando a Guiné-Bissau nesta modalidade?

TLB: Tudo vai depender da estrutura de trabalho para desenvolver os atletas. Com certeza, tenho muita vontade de ir trabalhar para Guiné, por que o nosso país tem muita matéria-prima a explorar. Acho que seria bom desenvolver um trabalho dentro da Guiné-Bissau, recrutando vários atletas com os quais o país poderá obter bons resultados no mundo.

OD: Lembrou-se de dois momentos que marcaram a sua carreira ao longo dos vinte anos. Um no qual sentiu-se muito triste e um outro que ficará sempre guardado na sua boa memória?

TLB: O pior momento da minha carreira foi quando fiquei fora dos jogos Olímpicos 2012, em Londres pela selecção brasileira, devido a uma situação de Doping. Tive de esperar os resultados. Há 15 meses e até então não tenho uma explicação do que me aconteceu. Essa ausência custou-me bastante, foi realmente muito triste. E a melhor coisa que me aconteceu foi o ano 2014, onde obtive nove medalhas e vou acabar o ano em sexta posição do Ranking Mundial e como a primeira classificada no Ranking Africano. Tudo isso é um grande motivo de alegria e é um marco que jamais esquecerei.

OD: Como um desportista, será que acompanha as exibições dos futebolistas nacionais na Europa, sobretudo em Portugal?

TLB: Não acompanho a cem por cento, mas sei que há um jogador de futebol de origem guineense na selecção portuguesa, (Éder) que participou pela equipa portuguesa na copa do mundo do Brasil. Ele é atacante, este realmente já acompanhei. Tenho descoberto pela televisão que alguns jogadores são guineenses e são muito bons. Mas a pena é que a maioria acaba por ter a nacionalidade portuguesa e competindo pela equipa das Quinas. Isso é muito triste. Como no Judô também existem atletas guineenses que representam outros países. Alguns militam na selecção portuguesa de judô, é uma coisa que acho um pouco triste, porque são talentos da Guiné-Bissau que acabam por representar outras bandeiras.

Por: Sene Camará

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Forza TACIANA BALDE’, “NO’PINTCHA”! Estamos sempre contigo…!

    • Admar João da Costa Teixeira em 15/12/2014 às 16:14
    • Responder

    nos anos 60 e 70 conhecemos histórias de mulheres Guineense corajosas que revolucionaram as suas vidas com acções heróicas que os martirizaram para todo sempre na história do povo Guineense como TITINA SILA, CANHINA N´TUNGUÊ e outras durante a luta de libertação nacional dirigido pelo PAIGC de CABRAL e hoje assistimos o seu feito (TACIANA) e de muitas outras como Domingas Tocna voces são uma verdadeira heróinas do desporto nacional espero que os nossos governates vêm em vós uma razão para apoiarem o desporto nos seus varios campos
    continua a trabalhar e faça do seu projecto desportivo um desafio a todos os outros Guineenses na diapora que tambem podem contribuir para a causa nacional exemplos os medicos advogados etc……
    força e coragem
    VIVA A HERÓINA NACIONAL
    VIVA TACIANA REZENDE LIMA BALDÉ

    • Eddy Fischer Miranda em 14/01/2015 às 20:43
    • Responder

    Forca Taciana,
    fiquei muito encorejado pela sua entervista, o País necessita de personalidades como voce,

    coragem Princesa.

    • adolfo ferreira em 26/02/2015 às 20:15
    • Responder

    ola taciana. eu sou guinense residido em londres na inglaterra ha mais de 20 anos. estou muito contente e feliz por ter representado o nosso pais ao nivel mundial.i am so proud of you and wish you all the best in the next olympic games in rio brazil 2016 to get a gold medal for our country.god bless you.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.