Figura da semana: LAGARTIXA OKONHOKO LANÇA LIVRO DE POEMAS “NAÇÃO AFÉTÉRÉ”

[SEMANA 52_2020] André Luís Mendes (Lagartixa Okonhoko Npasmadu), jovem poeta guineense, lançou recentemente a sua terceira obra literária intitulada “Nação Afétéré”. O livro foi lançado a 05 de dezembro do ano em curso por via digital. 

O jovem poeta conseguiu, nesta sua terceira obra poética, misturar a tradição clássica que o apresenta como um poeta interventivo, crítico e combatente, que também não se conforma com as “voltas e reviravoltas da sua Nação AFÉTÉRÉ”.  

Em 74 poemas, Lagartixa Okonhoko Npasmadu partilhou com os leitores em kriol, português, inglês e francês, versos de “sabores e (des)sabores de alma e traços de uma vida em movimento”. O autor pretende, com a obra, passar uma mensagem de esperança de um novo alvorecer para a martirizada pátria “amilcarada”, mas, sobretudo uma mensagem de resistência. “Resistência aos sucessivos retrocessos do seu País”.

BIOGRAFIA

André Luís Mendes (Lagartixa Okonhoko Npasmadu) nasceu a 12 de novembro de 1980, em Nghala Progresso, em Bissau, onde frequentou o ensino primário e secundário. Desde a adolescência revelou uma enorme paixão pela cultura na sua mais ampla concepção, paixão alimentada por uma inata capacidade de representação, que o levou a dar os primeiros passos no mundo das artes com apenas 12 anos de idade, quando, na sua paróquia, Santo António de Bandim, começou a representar pequenas peças de teatro, integrando depois movimentos e grupos culturais como a Brigada Cultural Estudantil e Os Fidalgos da Guiné.

Fez o curso da literatura brasileira no Centro Cultural Brasileiro em Bissau, fez igualmente o curso da literatura e cultura lusófona na escola normal Tchico Té, também em Bissau. Foi vencedor de concurso de poesia no período de seus estudos no liceu Samora Moises Machel (Bissau). Fez parte do Movimento Cultural Geração Nova (Djorson Nobu). Integrou na produção de volume um e dois da Antologia poéticade jovens guineenses – Traços no Tempo.

Publicou em 2010, o seu primeiro livro intitulado “No Compasso de Primeiro Passo”. Coordenou em 2013, a Antologia poética para a paz na Guiné-Bissau, denominado “Recados de Paz”. Publicou em 2014 asegunda obra literária intitulada “A última missanga do meu colar”. Deambulando pelas tabankas europeias desde 2003, Lagartixa, continua a viver para a cultura, principalmente para o Teatro, Cinema e Literatura, representando, sempre que os palcos o chamam e encantando quem tiver o privilégio de assistir às suas atuações. Faz parte do Movimento Cultural e Literário Djorsom Nobu, organização que o possibilitou a integrar os volumes I e II da Antologia Poética de Jovens Guineenses- “Traços no Tempo”.


Por: Aguinaldo Ampa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa