Futebol de formação: MEPA PEDE AOS EMPRESÁRIOS O CUMPRIMENTO DO MECANISMO DE SOLIDARIEDADE DE TRANSFERÊNCIA DOS JOGADORES

A Academia de Futebol da Guiné-Bissau “MEPA” pediu aos empresários nacionais que trabalham com clubes europeus, a liberarem as verbas que lhes são disponibilizadas no âmbito do mecanismo de solidariedade para os clubes formadores as transferências dos seus jogadores para o futebol Europeu.

O pedido foi tornado público na quarta-feira, 26 de outubro, à secção desportiva do Jornal O Democrata pelo Administrador do Projeto MEPA, Paulo Mendonça, durante uma entrevista com o propósito de abordar o arranque dos trabalhos, tendo em vista a nova época desportiva, 2022-2023.

“Estamos a esperar que os empresários de futebol cumpram os seus deveres, especialmente aqueles que receberam os jogadores da nossa academia, MEPA”, disse.

“Como podemos pensar que o futebol e os projetos podem crescer na Guiné-Bissau, se os empresários que levam os miúdos para futebol europeu não cumprem os acordos estabelecidos com as academias?”, questionou Paulo Mendonça.

Embora não tenha mencionado nomes de agentes que trabalham com a MEPA neste processo de jogadores, Mendonça explicou que o projeto que dirige há vários anos tem uma estrutura bem montada a nível da advocacia em Portugal, que tem acompanhado as movimentações dos empresários na Europa.

Segundo explicação de Mendonça, vários jovens talentos guineenses, que estão agora a despontar no futebol na Europa, tiveram passagem pela MEPA. Entre vários nomes, destacou Sana Fernandes, Moisés Gomes e Marciano Tchami.

Perante este cenário, o mentor do projeto e Administrador da MEPA tranquilizou os elementos da estrutura da academia para que mantenham a confiança nos agentes que têm colaborado com a academia, porque futuramente cumprirão os acordos rubricados que deverão permitir que recebam as verbas do mecanismo de solidariedade”.

“Mantenham a fé e a confiança que os agentes cumprirão os seus deveres, caso contrário, as pessoas vão sentir a nossa reação, porque não estamos neste projeto para brincadeira”, alertou.

Preocupado com a morosidade na disponibilização dos fundos, Mendonça lembrou aos agentes que o principal objetivo da academia é fazer destes jovens futebolistas homens de manhã com meios financeiros para ajudar os seus familiares e a academia.

A FIFA, organismo que dirige o futebol mundial, possui um regulamento que prevê uma percentagem em toda transferência internacional de um atleta que tenha ganhado a contribuição de um determinado clube ao longo de sua formação profissional. Ou seja, o clube deve ser ressarcido. 

Essa lei é chamada  “Mecanismo de Solidariedade” e prevê que 5% do valor da transferência deve ser destinado a todos os clubes envolvidos na formação desse jogador, sem importar o tempo em que ele ficou em determinado clube. A diferença está apenas no cálculo.

Em relação à integração dos jovens futebolistas que saíram da MEPA, Mendonça mostrou-se satisfeito com a evolução dos jovens guineenses, destacando os avançados Saná Fernandes da Lázio da Itália e Marciana Tchami da Almería da Espanha.

“Posso confirmar que Marciano e Saná são referências no futebol, a par de Moisés Gomes e Dionísio Mendonça, ambos jogam no Gil Vicente e estão a crescer bastante e se tudo correr bem, vão dar que falar na Europa”, disse.

MEPA, que conta com diferentes categorias, nomeadamente escolinhas, infantis, iniciados, júnior, juvenis, sénior e futebol feminino, arrancou no passado dia 17 do mês em curso a nova época desportiva nos seus diferentes polos. O projeto de formar jogadores tem um polo em Bissau, que funciona no campo de bairro D’ajuda, um no interior, em Canchungo, e outro na aldeia de Ilondé, arredores de aeroporto internacional de Bissau.

Segundo explicação de Mendonça, para esta nova época desportiva, a MEPA conta com perto de 400 jovens futebolistas, que vieram das diferentes zonas do país. O projeto perspetiva ainda abrir mais três polos, nomeadamente nas ilhas do Bijagós-Bubaque, em São Domingos(norte) e no sul do país.

Fundado em agosto de 2013 em Bissau, a MEPA perspetiva construir futuramente o seu próprio centro de formação para os seus jogadores e está a trabalhar na conclusão do espaço que adquiriu para o efeito.

Por: Alison Cabral

Foto: AC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *