Prof. Dr. Leopoldo Amado: “GRANDES COMANDANTES DO PAIGC ESTAVAM COM PIDE”

O especialista em guerra de libertação nacional, Leopoldo Amado doutorado em História Contemporânea, disse na rubrica Grande Entrevista do semanário “O Democrata” que “grandes comandantes do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde – PAIGC – estavam com a PIDE”. Contou ainda que o maior problema que o partido libertador enfrenta no momento é o vazio da ideologia. Durante a entrevista o historiador explicou que não havia como evitar a guerra da libertação nacional contra o colonialismo português, não apenas porque o Governo de Salazar não aceitava as propostas dos independentistas da Guiné e das outras colónias africanas, mas também porque os pontos de vistas dos contendores eram inconciliáveis.

“Eu estou em condições de assegurar que de acordo com a associação de factos e dados que eu tenho até no momento, tudo aponta no sentido de ter sido o colonialismo português a assassinar Cabral, de ponto de vista de autoria moral”, esclareceu o especialista da guerra de libertação e da história contemporânea, em relação aos rumores sobre o verdadeiro mandante da morte de Amílcar Cabral.

 

Democrata (D): A Guiné-Bissau, a semelhança de outros países do nosso continente, conseguiu a sua independência através de uma luta armada. Entretanto, existem algumas vozes que defendem até hoje que havia a possibilidade de se conseguir a independência por via do diálogo. É verdade que era possível alcançar a independência por via do diálogo, de acordo com as suas investigações?

Leopoldo Amado (LA): Eu tenho um texto escrito sobre isso que foi muito divulgado, no qual falo da impossibilidade de se ter evitado a guerra. Não havia como evitar essa guerra, portanto, não porque o governo de Salazar não aceitava as propostas de independentistas da Guiné e das outras colónias africanas, mas porque os pontos de vista dos contendores eram inconciliáveis.

O que PAIGC reivendicava para o caso da Guiné era inconciliável com que aquilo que os portugueses efetivamente postulavam. Os portugueses postulavam que os africanos não estavam preparados para a independência. Alegavam ainda que Portugal não podia desunir-se, no entanto era um império colonial do Minho ao Timor, passando pelas colónias africanas e que Portugal era um todo político.

Por isso o desmembramento era impensável, inclusivamente havia teóricos portugueses que não conseguiram visualizar o desmembramento deste império. Achavam que Portugal sem as suas colónias era um país amputado. Tudo isso assenta numa ideologia da superioridade racial e não só, como também na querença profunda da inferioridade do negro em relação ao branco, pois o branco tinha a missão civilizadora em África, ou seja, a missão de trazer a igreja cristã e de educar em termos religiosos.

O Amílcar Cabral por sua vez exigia a reposição da história, porque ele percebeu claramente que a história africana ou então, a história da Guiné tinha sido brutalmente cortada na sua evolução e, por isso, exigia a reposição desta história que, de acordo com ele (Cabral), passa pelo fim do colonialismo. A questão não se punha em termos da independência total ou incondicional como em muitos países se discutiu. Na altura punha-se o problema da aplicação da resolução nº 15/60 da Assembleia-Geral das Nações Unidas. Essa resolução dizia que os povos têm direito a autodeterminação, ou seja, os povos têm direito de escolher os seus governos próprios ou de se dirigerem a si próprios.

Na sequência disso, Cabral até criou outras contribuições que o ordenamento jurídico internacional acabou por integrar, por exemplo, a questão do estatuto dos combatentes da liberdade da pátria. Quem eram esses indivíduos que combatiam o exército de uma potência colonial? Qual é o estatuto deles no mundo? Amílcar Cabral resolveu isso simplesmente… Ele disse “se as Nações Unidas dizem que são favoráveis a autodeterminação, portanto os indivíduos que combatem são militantes das Nações Unidas”.

As Nações Unidas tomavam resoluções, mas não tinham mecanismos de obrigar as potências coloniais a cumprirem. Cabral mais uma vez resolveu o assunto de outra forma, criando a ideia de supremo recurso, ou seja, o supremo recurso é quando um povo recorre a métodos violentos para fazer valer os seus direitos e as determinações das Nações Unidas, que são coincidentes com os seus interesses. Os seus interesses são a libertação do jugo colonial, a independência e a construção da paz, do progresso e do homem novo.

As visões eram opostas ou inconciliáveis, portanto a via armada era a única forma possível para obrigar o governo português a sentar-se a mesa das negociações e o futuro mostrou isso. Foi a guerra da Guiné que efetivamente obrigou não só a mudança do regime em Portugal, como também criou as condições para a independência das outras colónias africanas, onde o nível da guerra não tinha evoluido como no caso da Guiné.

D: Então era impossível conseguir a independência por via do diálogo com o Governo portugês?

LA: Sim, era impossível, mas repara. Tentou-se esse diálogo na decada 60. No início de 1960, Amílcar Cabral e os seus companheiors do PAI (Partido Africano da Independência) dirigiram uma carta aberta ao Governo Português. Na altura o partido era disignado do PAI, mas só em 1962 é que resolveram denominar o partido de PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde).

No mês de Maio de 1960, voltaram a endereçar uma outra carta com outro nome ao Governo Português, com o intuito de solicitarem a realização de uma mesa redonda, a fim de negociar a questão da independência da Guiné. Repara, na carta Amílcar pedia que se sentasse a mesa para discutir o assunto que o opunha ao colonialismo portugês.

Daí veio a célebre resposta de Portugal, que dizia nem mesas redondas, nem mesas quadradas e nem nada. Eles não esperavam que os africanos pudessem ter a capacidade organizativa para lançar a guerra de libertação nos moldes em que o PAIGC a fez. Digo-lhe que não havia a possibilidade de conseguir a independência por via do diálogo, nem de uma ou doutra forma.

A Guiné nunca representou muita coisa no contexto do império colonial português, nem do ponto de vista económico e nem do ponto de vista estratégico. Guiné foi importante para os portugueses numa outra altura, mas no período em que se iniciou a luta colonial, a Guiné era um nada para eles. A economia da Guiné foi sempre deficitária, apesar da existência das Gouveia e CUF, foi sempre deficitária, aliás, dava mais prejuízos a metrópole (Portugal) do que lucro.

D: Qual era o grande interesse de Portugal que não queria abrir a mão da Guiné para a sua independência?

LA: Efeitos do domínio, porque se a Guiné caisse, é certo que cairiam todos os outros. As jóias da coroa de Portugal foram sempre Angola e Moçambique. Mesmo estes países tiveram também historial enorme de défice. Houve inclusivamente debates em Portugal em que os deputados portugueses na altura falavam na venda das colónias. O problema não é que as colónias não fossem rentáveis mas, sabem que para rentabilizar as colónias é preciso ter dinheiro bem como ter as pessoas com capacidade enorme de pensar ou fazer.

Portugal foi uma potência colonial que não tinha muitos meios para fazer uma colonialização efetiva e tirar o partido dessa colonialização. Portugal tinha sim homens muito voluntariosos, portanto isso permitiu-lhe andar pelo mundo para descobrir latitudes.

D: Havia iniciativas de movimentos para a conquista da independência. Uns se encontravam na Guiné-Conakri, como também em Dakar (Senegal), onde se encontravam o MLG, o MING, a FLING, a UPLG, entre outros. Porque é que o PAIGC conseguiu destacar-se no meio destes movimentos todos?

LA: O MING não teve papel relevante nenhum, mas há quem pensa que Cabral teve a sua mão naquela organização, porque esteve cá em 1952. Terá sido uma organização criada, mas que não teve ações. Uma organização quando é criada e não tenha tido nenhuma ação, apenas tem um registo, um nome e a partir daí nada mais. Para responder concretamente a sua pergunta, repara esse desejo enorme da independência era insuflado não só pelo ambiente geral que havia no mundo.

Era o despertar dos povos dominados no sentido da sua independência. Em 1955 houve a Conferência de Bandung, então esse despertar não era só africano e era também asiático. Havia nas Nações Unidas naquela altura uma espécie de blocos afro-asiáticos que defendem essas posições contra as posições de Ocidente, porque a maior parte das potências de Ocidente votavam a favor de Portugal.

Havia todo um ambiente ou condições criadas depois da segunda Guerra Mundial e essas condições permitiram que os africanos pela primeira vez, sonhassem em autodirigir-se, ou seja, dirigir-se a si próprios. Aqui na Guiné essa ressonância também chegou antes da vinda de Amílcar Cabral, aliás, como se sabe ele nasceu aqui na Guiné e foi para Cabo Verde estudar aos oito anos.

Depois de terminar os seus estudos voltou para Guiné com um contrato de fazer um trabalho no âmbito agrícola, mas não foi por acaso que ele aceitou voltar. tinha todo um plano traçado. Para lá das emoções que isso tudo provoca era preciso efetivamente organizar-se e unir-se em torno dos eixos fundamentais.

D: Foi isso que o PAIGC conseguiu fazer para se destacar no seio das outras organizações?

LA: O Cabral estudou outras experiências e isso ajudou-lhe muito. Havia um grupo dos guineenses que estava na Guiné-Conakri que integrara um movimento global que se chamava “Movimento de Libertação dos Territórios sob a Dominação Portuguesa”.

Quando Cabral chegou a Conakri convidou esses guineenses que lá se encontravam a desenvolverem a ideia da Independência, e que cada território ou colónia tinha que assumir a sua luta. Cabral tentou imensas vezes congregar os movimentos guineenses para fazerem uma única frente, portanto é evidente que o facto dele ter tido a formação superior na altura e outra visão, deu-lhe mais vantagens. Cabral tinha uma visão muito clara bem como sabia muito bem o que queria, mas também ele teve grandes problemas com outros guineenses que lá estavam a organizar-se.

O certo é que os indivíduos que fazem parte dos outros movimentos tinham os mesmos quilates. Vou dar um exemplo, Fernado Forte que é cabo-verdiano era ao mesmo tempo do PAI e do MLG e o mesmo caso com Rafael Barbosa, que era ao mesmo tempo do PAI e do MLG. Houve uma altura em que passavam a falar do Movimento de Libertação. Eles aceitavam a ideia da libertação, mas os guineenses, quando sabiam que o Cabral é que estava à frente do movimento recuavam.

O PAIGC conseguiu destacar-se pela tenacidade e pelo facto de ter acumulado um capital extraordinário que os outros não tinham, que é a formação. Cabral era da organização de juventude comunista de Portugal, portanto ele aprendeu muita coisa ali. Ele percebia perfeitamente quais eram as questões candentes que se colocavam do ponto de vista internacional. Cabral percebia também que as condições eram favoráveis a uma luta para a independência. Será que os outros percebiam isso tudo?

D: Nem mesmo a Frente da Libertação Nacional da Guiné (FLING) que se encontrava em Dakar?

LA: Não, a FLING só apareceu em 1962. A FLING é um manto de retalhos dos partidos que nunca se entenderam lá internamente. Como se sabe havia um grupo pertencente ao movimento que estava a ser dirigido por François Kankola, que iniciou a luta na zona nordeste da Guiné-Bissau, concretamente na zona de São Domingos, Varela e estendeu-se um bocadinho mais para o norte. Começou efetivamente uma luta armada mesmo antes do PAIGC, mas isso tudo não lhe deu vantagem, de maneira que era preciso fazer um trabalho de base.

Tinha havido em 1961 a grande repressão sobre os angolanos que iniciavam a luta armada para a conquista da sua independência. Os angolanos pressionaram os outros movimentos de libertação nacional para que iniciassem a luta armada, a fim de poder dispersar homens e a pressão que havia sobre eles.

Mesmo assim Cabral previlegiou a mobilização, porque naquela altura o PAIGC não tinha nada. O Aristides Pereira chegou em 1961 a Conakri e havia pouca gente no partido; portanto Cabral entendeu na altura que era preciso fazer mais trabalho de mobilização. O objetivo de Cabral não era fazer uma luta armada para derrotar o inimigo no teatro das operações.

A teoria geral da guerra subversiva diz que se utiliza a luta armada para destruir as infra-estruturas do inimigo, mas não para o derrotar no teatro das operações e o Cabral entendendo isso tudo, foi fazer uma intensa mobilização ao ponto de ter a população do seu lado, porque neste tipo de guerra/guerrilha, quem ganha esse tipo de guerra é efetivamente quem tem a população do seu lado.

D: O PAIGC sob a liderança de Cabral conseguiu levar um povo analfabeto na sua maioria para a luta armada contra uma força militar colonial. Será que é o desejo da independência que motivou a população ou é o grau da estratégia política de Amílcar Cabral?

LA: Sem dúvida nenhuma, porque o Amílcar sabia com quem estava a falar, como também conhecia os traços culturais das pessoas com quem estava a falar. Sabia igualmente que essas pessoas eram capazes de mobilizar outras pessoas, como é sabido ele não fazia as coisas ao acaso. Cabral conhecia as pessoas muito bem, mesmo sendo lá nos fundos das tabancas, sabia com quem estava a lidar e  chamava pessoas pelos seus nomes próprios.

D: Tendo em conta a progressão dos gurrilheiros do PAIGC na luta, o Governo central de Lisboa decidiu enviar o General Spínola para a Guiné. Spínola dizia que a sua vinda para Guiné não era ganhar a luta por via armada. O seu obejtivo antes de tudo, era contornar o PAIGC através de ações sociais e culturais junto das populações.  Como investigador chegou a alguma conclusão sobre como é que o PAIGC conseguiu ganhar a guerra psicológica contra o General Spínola?

LA: Digo em primeiro lugar que o General Spínola não veio a Guiné para contornar apenas o PAIGC, mas sim veio aqui para ganhar a guerra, aliás, no seu discurso de tomada de posse, disse que a guerra não se ganha apenas com armas. Ou seja, o General Spínola introduz um elemento extremamente importante na manobra militar que é a ação psicológica.

Amílcar Cabral chamava isso de política do sorriso e do sangue. Porque é que ele a chamava assim, porque de um lado estava ajudar as pessoas na saúde e mais outras coisas, por outro lado intensificava as ações militares contra os guirrilheiros. Inclusivamente com bombas violentas de todo o tipo, então é por isso que Cabral chamava a política de Spínola “política do sorriso e do sangue”, isto é alguém que ri consigo, mas que ao mesmo tempo lhe mata.

O General António Spínola aproveitou a experiência dos seus antecessores. Houve generais que estiveram aqui e que quase levaram o exército português ao colapso militar na Guiné-Bissau. Os insucessos militares registados aqui foram de tal ordem que tiveram de ser mandados embora. Eles tinham um dispositivo táctico que fora muito questionado por Spínola, mas quando chegou à Guiné mudou esse dispositivo na íntegra.

Abandonou vastos territórios da Guiné-Bissau e concentrou-se onde eram necessárias as suas forças. Criou os chamados ordenamentos populacionais, a fim de poder ter as populações nas suas mãos. E Amílcar teve que fazer face a isso tudo, através da criação de respostas convincentes.

 

 

D: O que é que o General Spínola fez de concreto para mobilizar as populações?

LA: General Spínola criou a política da “Guiné Mindjor”, bem como criou igualmente programas de aliciamento dos antigos combatentes para entregarem as suas armas em troca de um bom tratamento. Haviam fotografias por todo o lado a mostrar tropas portuguesas a curar os doentes aqui na Guiné.

Isso tudo abalou de que maneira as estruturas do PAIGC, portanto houve até comandantes que já estavam desanimados. Cabral tinha que fazer face a isso tudo, pelo que do ponto de vista de propaganda reestruturou os serviços de informação e propaganda. O partido apostou na propaganda através da sua rádio que tinha em Conakri e que tinha uma enorme potência, visto que era captada aqui na Guiné, Cabo Verde, Senegal e em todo o lado.

Criou ainda órgãos de informação denominado de “PAIGC Atualité”, onde eram passadas as informações do partido em francês para ter mais divulgação. Criou o núcleo de apoio do partido em França, Holanda, nos países nórdicos e até nos Estados Unidos de América. Na altura até o exército português reconhecia que o PAIGC era um movimento que tinha um serviço de informação e propaganda bem estruturado.

Reforçou ainda o trabalho de consciencialização política, porque entendeu que era preciso dizer aos camponeses que as ações da força colonial na altura não passavam de manobras para desestruturar o próprio PAIGC. Cabral percebeu ainda na altura que grande parte da população se deslocava para a zona dos portugueses, porque do lado do PAIGC havia pouca comida.

Foram os suecos que socorreram o PAIGC e trouxeram mercadorias de qualidades superior àquilo que estava na zona dos colonialistas. Militarmente o PAIGC tinha melhor armamento do que o do exército português na altura. O PAIGC foi dos poucos movimentos que, associada à uma tática de guerrilha, também tinha a uma guerra convencional.

O partido tinha grupos de artilharia, grupos móveis e tinha até aqueles que se chamavam de bi-grupos que se juntavam e formavam um corpo do exército. Spínola com toda essa força conseguiu levar a guerra a uma situação estacionária, porque anteriormente quem tinha a vantagem era o PAIGC. Desde o início da guerra sempre o PAIGC tinha a vantagem, mas com a chegada do General Spínola conseguiu levar a guerra a uma situação estacionária, onde nem ele nem o PAIGC tinha a vantagem um sobre outro.

Era preciso um elemento desequilibrador de tudo isso no esforço que ambos faziam para desacreditar de um ou outro lado. A ajuda sueca foi decisiva de ponto de vista económico. Do ponto de vista militar a União Soviética passou a fornecer ao PAIGC materiais de guerra de que não dispunha. Havia também que contar com a vinda de um grupo de cabo-verdianos oriundos de Cuba, onde estiveram a preparar-se para iniciar uma luta armada em Cabo Verde. Cabral como sabia que não havia condições para começar a guerra na ilha, resolveu trazê-los para a Guiné. Isso foi uma contribuição muito grande em termos militares mas, sobretudo com o aparecimento dos mísseis terra-ar para fazer face a força aérea do exército português.

D: Cabral formou-se em agronomia, mas tinha uma visão profunda na área militar, social, política e económica. Como vê Amílcar? Um estratega militar ou grande líder político?

LA: Amílcar era um homem extremamente inteligente e não há dúvidas sobre isso. Eu Percorri milhares de documentos escritos pelo próprio Amílcar Cabral e ao mesmo tempo percorri milhares de documentos escritos por outras pessoas que conviveram de perto com Cabral. Percorri também muitos documentos escritos por estudiosos de Amílcar Cabral, portanto não há dúvidas de que Amílcar Cabral era um homem sonhador.

Amílcar Cabral era um sonhador, porque a ideia da República da Guiné-Bissau era uma Nação imaginada, portanto ela não existia. A história deste território aqui tem uma historicidade anterior. A forma como os fulas interagiram com os balantas e a guerra da libertação nacional põe isso tudo sobre uma tábua rasa.

Na guerra da libertação Cabral disse algo sobre a unidade e luta: “Vamos unir para lutar e vamos lutar para unir”. E Amílcar Cabral dizia que os superiores interesses do nosso povo é que contavam. Mas quais são os superiores ineteresses? São a paz, progresso e a prosperidade. Então, em nome disso era preciso unir para lutar e lutar para unir. Toda e qualquer pessoa que contrariar o princípio da unidade e da luta tinha problemas com o PAIGC.

Foi na base disso tudo que se criou uma República. É evidente que essa República tem alguns anos e esses anos são insuficientes para insuflar nas cabeças das pessoas aquilo que nós chamamos da identidade nacional. Cabral ao mesmo tempo em que lutava ensaiou o embrião de um Estado, nas então zonas libertadas.

Tinham os serviços de administração civil, tribunais, armazéns do povo, prisões e tudo isso era o embrião de um Estado. Cabral é um caso único, um homem que lutava, mas que ensaiava em termos pioneiros um Estado. Caso único outra vez na história dos movimentos de libertação nacional: ainda sob a presença do exército e das autoridades coloniais proclamou o Estado da Guiné-Bissau. Ele considerava que a luta fazia a unidade e essa unidade resultou num Estado que se construiu ao longo da luta.

D: Há quem diga que Cabral conseguiu formar homens para fazer uma guerra, mas não conseguiu formar homens para governar o país depois da guerra. Concorda?

LA: Cabral formou muita gente e toda essa gente que nós aqui chamamos hoje de veteranos eram jovens. Todos eles têm uma formação política fora de série e foram formados por Cabral, portanto para o contexto da época eles eram fundamentais para a libertação. Muito deles sacrificaram a possibilidade de irem estudar, porque eram necessários no processo da luta.

Quero esclarecer uma coisa aqui… O PAIGC nunca teve mais de cinco mil homens em armas e nos picos da guerra o exército português chegava aos 40 mil homens. Mas o partido que nunca chegou mais de cinco mil homens criou uma estrutura de Estado, fez uma guerra exemplar e do ponto de vista diplomático fez uma guerra extraordinária, dado que conseguiu convencer até os aliados dos portugueses na altura a se colocarem do lado dele. Foi o caso da Dinamarca que passou a apoiar o PAIGC e as Agências das Nações Unidas já colaboravam com o PAIGC.

D: Após a independência registaram-se perseguições e fugilamentos de colaboradores de portugueses, sobretudo comandos africanos, milícias, cipaios e até agentes de administração civil colonial. Na sua opinião, a que se deve essa intolerância?

LA: Isso deve-se ao desenrolar da guerra. Nos últimos tempos da guerra a maior dificuldade que os homens do PAIGC tiveram foi dos africanos que estiveram do lado do exército português. Os comandos africanos eram muitos aguerridos e tinham níveis de agressividade e do sucesso combativo muito grande, mas também eles conseguiam contrariar muitas das vezes os planos militares do PAIGC.

D: Muitos historiadores estimam que foram mais de dez mil pessoas que morreram vítimas da perseguição da parte do partido libertador. No quadro das suas investigações confirma esses dados?

LA: Não estudei isso, mas apenas declarei isso com as devidas reservas e pode ser encontrado na internet. Fala-se de onze mil os africanos que colaboraram de diversas formas com os portugueses, desde os comandos africanos, cipaios, milícias, agentes de administração. Não tenho a informação de alguém que tenha compilado ou feito as contas, mas o que eu posso garantir é que efetivamente morreu muita gente.

A fonte que eu cito é a uma fonte de pessoas diretamente envolvidas. São ex-comandos africanos que estavam em Lisboa e que na altura tentavam um trabalho de recolha das informações sobre colegas que morreram. Na altura estimava-se em cerca de onze mil o número das pessoas que morreram, de acordo com as listas que estavam a constituir, mas isso não é fiável.

D: Durante a luta defendeu-se o projeto da unidade da Guiné e Cabo Verde que vigorou até aos primeiros anos da independência. Acha que o golpe de Estado de 1980 “assassinou” o sonho da unidade entre os dois países?

LA: O projeto de unidade da Guiné e Cabo Verde já vinha sendo assassinado mesmo dentro do PAIGC. E há muitas dissidências dentro do próprio PAIGC. É claro que a história oficial tende a ocultar essas dissidências. O Congresso de Cassacá foi uma dissidência clara com a direção do PAIGC. Em 1966 o fuzilamento de Honório Sanches Vaz que tinha um plano para matar Amílcar Cabral é outro momento da dissidência.

A inflitração do PAIGC pela PIDE em minha opinião deu-se entre 66/69. A PIDE explorou todas as contradições internas no seio do PAIGC e uma das contradições internas que a PIDE mais explorou foi a questão da unidade entre a Guiné e Cabo Verde. A nível dos guineenses mais esclarecidos havia uma espécie de inconformismo que sentiam em relação a algumas coisas.

D: Qual era o inconformismo dos guineenses?

LA: Sentiam o inconformismo em relação à estrutura de extração cabo-verdiana que dirigia a luta de libertação. Cabral nasceu aqui e vem dizer que é cabo-verdiano. Já ouvi antigos dirigentes do PAIGC a dizer que Cabral tinha mania que era guineense. Para o contexto da luta armada de libertação nacional e independentemente das adversidades ou de quem estava em cima ou em baixo, digo que a junção dos guineenses e cabo-verdianos resultou positivamente.

D: Algumas vozes defendem que a dificuldade de coabitação entre a ala cabo-verdiana e a ala guineense no seio do PAIGC terá facilitado o assassinato de Amílcar Lopes Cabral. Concorda?

LA: Sem dúvida. Cabral incendiou a floresta e tinha que morrer dentro dela. O PAIGC era um partido com muitas contradições e a primeira delas era entre guineenses e cabo-verdianos. Mas havia muitas outras contradições. Havia muitas contradições e não era fácil gerir essas contradições, sobretudo fazer valer aquilo que era o objetivo fundamental da luta. Cabral conseguiu tapar alguns buracos, mas não conseguiu tapar todos.

D: Algumas obras foram publicadas sobre o assassinato de Cabral em Canakri. Várias pistas foram admitidas, umas apontam a polícia portuguesa com a cumplicidade de elementos do PAIGC e a recente obra do investigador cabo-verdiano acusa o Presidente Sékou Touré como tendo sido o mandante do assassinato de Amílcar Cabral. Quer fazer algum comentário em relação à matéria, de acordo com os estudos que realizou no terreno?

LA: Conheço muito bem o investigador cabo-verdiano que faz essa afirmação. Ajudei bastante na tese do mestrado dele, portanto tenho muita consideração por ele e tomo-o como um bom rapaz. Mas discordo da sua posição e a história é exactamente isso, portanto nós só podemos trazer a verdade ao de cima quando discordamos uns dos outros. Para mim não restam dúvidas que Amílcar Cabral foi vítima de variadíssimas contradições ou dissidências, mas não há dúvidas de que em quase todas elas havia a mão do colonialismo português.

Cabral era uma ameaça direta aos propósitos coloniais de Portugal. Eu acho que eles tiveram que o silenciar. Isso foi demonstrado claramente na invasão a Conakri em 1971 em que eles queriam liquidá-lo. Penso que há interesses convergentes de guineenses no momento, que colocavam questões sobre o que seria deles…

Tinham informações de que Cabral negociava a independência e escondia as informações aos guineenses. Havia uma ala guineense que estava organizada e inclusive tinha uma ideia de denominar o PAIGC de outra forma, isto é PAIG (Partido Africano para a Independência da Guiné). Simplesmente tiraram a letra C de Cabo Verde.

O grupo era constituido por Momo Turé e outros, estavam a organizar-se em nome de um tal PAIG. E toda gente sabe que havia conspiração em Moscovo contra Cabral e ele sabia disso muito bem. A minha convição é que haviam várias dissidências que convergiram no assassinato de Amílcar Cabral e a divergência era entre os guineeses bem como entre guineenses e cabo-verdianos, mas tendo todas elas o selo do colonialismo português.

D: Isto quer dizer que o Presidente Sekou Toure não tem nada a ver com a morte de Amílcar Cabral?

LA: Há vários níveis de responsabilidade na morte de Cabral, porque como se sabe Amílcar não era qualquer um. Era um homem que tinha conseguido tudo, mas acima de tudo que se preparava para dar o golpe fatal ao colonialismo através da proclamação unilateral da independência. É evidente que ele foi contactado pelo General António Spínola através do Presidente Leopold Sedar Seghor do Senegal, mas para negociar o processo da independência com o PAIGC.

Cabral sempre recusou e releembrava-lhes que em 1960 podiam ter negociado, mas os portugueses recusaram. Naquela altura já morrera muita gente, pelo que exigia a independência total. Foi Cabral quem preparou todos os dossiers da independência e os outros apenas aplicaram aquilo que tinha sido desenhado por ele. Não é por acaso que após a proclamação unilateral da independência da Guiné, registou-se um pouco por todo o mundo o reconhecimento de Estado da Guiné-Bissau por mais de 80 países. Cabral tinha feito todo um corredor diplomático.

Cabral sabia como ninguém combinar a componente política da guerra, a componente militar e a componente diplomática. Havia momentos em que utilizava apenas a componente diplomática e havia momentos em que entendia que para usar a diplomacia tem que usar a compenente militar. Ele sabia usar muito bem as três componentes e isso lhe ajudou muito durante a luta da libertação. Havia momentos em que fazia funcionar as componentes militar e diplomática ao mesmo tempo, para que a componente política pudesse funcionar corretamente. É bom realçar uma coisa: não havia dúvida que muitos guineenses estavam com a PIDE.

D: Os grandes comandantes da luta também estavam com a PIDE?

LA: Eu vi documentos e garanto que alguns grandes comandantes estavam com a PIDE. Forneciam todo o código de comunicações das rádios do PAIGC à PIDE. Durante muito tempo a PIDE intercetava toda a comunicação do PAIGC.

O responsável máximo pela comunicação é que forneceu isso a PIDE a partir de Conakri. Claro que toda gente já sabe que Momo Turé é um dos atores materiais do assassinato de Cabral. Os autores materiais da morte de Cabral foram indivíduos que estavam dentro da conspiração daquela ala a que se deu o nome do PAIG. Em todas essas divergências e dissidências no seio do partido, na minha opinião e segundo as investigações que fiz, havia mão do colonialismo português na morte de Amílcar Cabral.

Não há nesse momento elementos que nos possam dizer claramente que foi o colonialismo português. Estou em condições de assegurar que de acordo com a associação de factos e dados que tenho até ao momento, tudo aponta no sentido de ter sido o colonialismo português a assassinar Cabral, do ponto de vista de autoria moral.

D: O PAIGC foi um partido revolucionário ideologicamente virado para as massas populares. Da independência a esta data, o senhor acha que o PAIGC conserva ainda essa linha orientadora?

LA: O PAIGC já devia ter abandonado a via revolucionária. Estava na via revolucionária porque queria destruir uma ordem para construir a ordem nova.  No processo da construção da nova ordem teria de construir um novo homem.

Quando o PAIGC destruiu a antiga ordem e construiu a nova ordem, então encontrou outros paradígmas e o problema já não se punha em termos da libertação e muito menos em termos militares ou de “Matchundadi”.  O desafio era já outro, o de construir um país e o de perspetivar um país para o desenvolvimento sustentável. O PAIGC é revolucionário em relação a si próprio, portanto anda a querer mudar a sua própria ordem e em alguns casos mudar essa ordem para não construir ordem nenhuma. Quando o que está em causa é fazer face aos novos paradigmas que existem no mundo e as novas exigências de inserção da economia da Guiné-Bissau no mundo, criar as condições para que a Guiné-Bissau possa ombrear com os melhores exemplos de desenvolvimento em África, portanto era isso que nós deviamos ter feito.

Tinhamos as condições para o fazer e não o fizemos, portanto não foi porque faltou a vontade aos homens. É porque a força dessa avalanche revolucionária ainda continua a condicionar negativamente os propósitos do desenvolvimento. O PAIGC tem um capital para a herança, isto é o capital da unidade e esse capital é algo que mantém ainda o PAIGC vivo, se não deixaria de existir.

D: Acha que o atual PAIGC está em condições de corresponder aos desafios actuais?

LA: Apesar de ter falhado ao encontro da história, porque em 40 anos da independência o PAIGC tinha a obrigação de fazer mais e melhor para este país, o PAIGC ainda tem condições de influênciar positivamente rumo das coisas na Guiné-Bissau. É evidente que o PAIGC atravessa uma crise enormíssima de desorientação coletiva e isso é visível.

Não é só por causa das tendências que existem no seio do partido, mas há uma espécie de desorientação geral que afeta tudo e todos. Olhando para o panorama político guineense, acho que o PAIGC é a formação política que ainda está em melhores condições de continuar a protagonizar os aspetos, como por exemplo, a unidade entre os guineenses e o reforço do sentido da Nação. Acho que o nosso sentido da Nação é muito frágil, porque há pessoas que ainda são mais mandingas ou bijagós do que guineenses. Isso deveria ser ao contrário, dado que primeiro deve-se sentir guineense para depois falar do grupo étnico.

Se o PAIGC não corresponder nos próximos tempos às expetativas criadas de desenvolvimento, de melhoria das condições de vida das populações nos seus aspetos concretos, como a saúde, a educação entre outros… É uma nova geração que tem outras expetativas e se o PAIGC não conseguir corresponder a essas expetativas vai correr sérios riscos de se desagregar.

D: Alguns analistas defendem que o PAIGC tornou-se um partido ao serviço de empresários e de comerciantes. Será que esta afirmação tem a sustentabilidade?

LA: A desorientação coletiva do PAIGC é clara. É urgente resolver isso. Encarro a iniciativa do “Setembro Vitorioso” como uma grande iniciativa, porque ali se lembrará de alguns combatentes que foram apanhados nas suas casas e levados até a cidade de Bafatá. Alguém teve essa iniciativa dentro do PAIGC, portanto há que reconstituir a trama do sentido da unidade e da solidariedade que se criou e que manteve o partido por muito tempo.

O PAIGC não pode aparecer aos olhos da nova geração como aparece às vezes, como uma agência de emprego. Ou como um instrumento que cada comerciante utiliza como quer e se não quer descarta. É evidente que o partido na situação em que está, a mercê de quem tem meios, espelha uma situação de desorientação geral e esta fala muito alto. Não é só utilizar o partido para fazer alguma coisa, mas sim utilizar o partido para restruturá-lo mesmo. Em muitas ocasiões o partido foi utilizado, mas não foi reestruturado.

Não é proibido a nenhum comerciante ou outro estrato qualquer da nossa sociedade que quer efetivamente utilizar o partido que o faça. O que se pede em troca é que o partido seja acarinhado, reestruturado e, sobretudo que seja reativado nas suas ações e nos seus propósitos. Um dos grandes problemas que o PAIGC atravessa é o vazio da ideológia.

Quando há um vazio ideológico o partido está à mercê de interesses vários. Não é só o partido PAIGC que está a mercê de vários interesses. É o próprio Estado da Guiné-Bissau que está capturado ou refém desses interesses. Precisamos de ter partidos nacionais fortes, portanto não são partidos de extração de mandingas ou bijagós.

D: Para Cabral, a independência era a soberania do povo no plano interno e externo. Olhando para a atual realidade económica, social e política da Guiné-Bissau, a independência seria ainda um mito ou uma realidade?

LA: Em 40 anos de independência não estamos em condições de dizer que a independência valeu a pena, no entanto é com muita mágoa que digo isso. Porque o PAIGC fez indiscutivelmente uma das lutas de libertação mais brilhantes em África e teve uma liderança inquestionavelmente reconhecida. Cabral foi uma grande figura do século XX, portanto era um grande pensador.  Os resultados de 40 anos da independência foram à instabilidade política, foram lutas fratricidas, foi o retrocesso económico e foi o acicatar das divisões. Quer dizer em vez de unirmo-nos mais, foi o inverso, dividimo-nos.

D: O que acha que falhou de concreto e que criou essa desunião ou desvio da linha orientadora de Cabral?

LA: As contradições que existiam na luta que não desapareceram somaram-se a outras contradições que foram forjadas já aqui na cidade, e que efetivamente não criaram um clima de paz, ou seja, um ambiente propício para que as pessoas pudessem pensar o país. A instabilidade política fez com que nenhum Governo depois da democracia tivesse completado o seu mandato.

Como é que se pode desenvolver alguma coisa nesse contexto? É impossível. Cinco anos depois da democracia houve golpe de Estado contra um Presidente entusiasmado que tinha projetos. Depois tivemos um período longo do consulado de Nino Vieira, em que efetivamente entraram outros ingredientes. Houve deteriorização a nível ideológico e reforçou-se a questão da corrupção.

D: Existe um debate patente a volta da instabilidade na Guiné-Bissau, uns atribuem a culpa aos políticos e aos militares, outros apontam o sistema político. Qual é a sua opinião?

LA: É tudo isso em partes ou cada um com a sua parte. Estamos numa situação onde não existe o Estado ou que está completamente decapitado. Analisando bem os 40 anos da independência, acho que temos que interiorizar a ideia de que temos que recomeçar tudo de novo em moldes diferentes, tendo em conta as visões das novas gerações. Apesar das eleições e do ambiente de paz que se vive nesse momento. Apesar de ser uma paz frágil, ela é precisa.

É preciso que os nossos governantes ponham nas suas agendas a questão da paz, da reconciliação e, sobretudo a questão do diálogo. Temos que dialogar permanentemente.

D: Muitos intelectuais guineenses preferem ficar fora da política e a criticar de longe. Qual é a responsabilidade da elite intelectual guineense na atual situação da degradação do país?

LA: Se temos uma administração que não funciona, não tem boas universidades como também não temos bons serviços, isso significa que não temos nada para atrair os intelectuais de ponta para ficar no país e no meu ver a situação geral do país não permite que o intelectual produza.

D: No seu caso foi isso que levou o senhor a ficar lá fora?

LA: Fiz muitos anos fora do país por causa da formação e da instabilidade política. Mas a possibilidade de ascender ao patamar aqui na Guiné-Bissau, nunca ascenderia. Eu não vejo que os intelectuais tenham grande responsabilidade nisso. A única responsabilidade que os intelectuais têm nesse caso é moral pelo facto de se alienarem. Quando eles não estão e os seus espaços preenchidos por gente que efetivamente não está preparada para isso.

D: O Senhor é Professor Doutor muito conhecido fora do país. Não acha que tem menos fama cá dentro que lá fora?

LA: É verdade, mas digo que não suporto mais a dor de fazer coisas bonitas lá fora. Eu acho que aqui nós podemos fazer também muitas coisas boas. Vamos ver o que se consegue fazer por aqui, mas apesar do ambiente não ser favorável. Vou insistir para que os meus colegas que estão lá fora possam voltar, mas é bom dizer que voltar não é fácil. Não é porque a pessoa não apanha o avião, mas o problema é que gente criou a estrutura lá. Tenho dever de fazer alguma coisa e acho que vou tentar fazer alguma coisa.

D: 40 anos depois da independência, a Guiné-Bissau não dispõe de uma Universidade Pública reconhecida. Como explica esta situação?

LA: Explico dizendo que essa situação é inexplicável. No século presente, uma Universidade Pública ou não, não importa. Os conjuntos das universidades são tão importantes como, por exemplo, a agricultura. Está provado a nível mundial neste momento, que o maior factor do crescimento são as universidades. A produção do conhecimento através do processo da extensão.

Temos condições para fazer uma boa Universidade, portanto é urgente que os governantes decidam se querem uma universidade de qualidade ou não. Tenho uma experiência universitária em Cabo Verde; estive no embrião das pessoas que fizeram o esforço no sentido da instalação de Universidade em Cabo Verde. Aquela Universidade está a devolver hoje conhecimentos produzidos à população para que possa efetivamente apreciá-la. Nós aqui devemos começar convictamente a fazer uma Universidade de qualidade e não de pôr lá os licenciados para ensinar licenciados. A Universidade de Cabo Verde já conta com uma taxa muito boa de professores doutores que estão lá a ensinar, aliás, as universidades também são avaliadas pela percentagem dos doutores que têm lá dentro.

D: Qual é o seu sonho para a Guiné-Bissau?

LA: Em primeiro lugar eu confio de forma cega que há todas as condições neste momento para promovermos o desenvolvimento. Apesar de ter a consciência que não basta essa convicção, mas também não basta que existam essas condições para que possamos desenvolver o país.

Acredito que as expetativas da população guineense, após um período turbulento de instabilidade são no sentido de subirmos de patamar. Não acredito que possamos voltar para atrás do ponto de vista das expetativas e dos anseios do povo. Acredito que podemos aliar as gerações da independência e a geração dos mais novos para podermos construir uma plataforma que permita o país ter as condições de bases para um arranque.

Por: Assana Sambú

Fotografia: Marcelo Ncanha Na Ritche

Nb: todas as entrevistas do jornal O Democrata sao gravadas e bem conservadas

 

6 comments

  1. Sene Camara disse:

    A NOVA GERAÇÃO QUER SABER DOS VERDADEIROS ACONTECIMENTOS DA NOSSA LUTA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL, SENDO ASSIM, VAMOS SABER DE ONDE SAÍMOS E PARA ONDE VAMOS E, COMO CHEGAR A META QUE TRAÇAMOS, MAS SE NÃO CONHECEMOS A NOSSA HISTORIA REAL, CLARO QUE ESTAMOS PERDIDOS NO TEMPO E NA SUA EVOLUÇÃO. A GUINE-BISSAU PRECISA MUITO DA CONTRIBUIÇÃO DOS SEUS INTELECTUAIS, MESMO NESSAS CONDIÇÕES, NÃO HÁ NADA DE QUEIXAR, PORQUE NA GRÉCIA ANTIGA OS FILÓSOFOS ADAPTARAM AQUELA ÉPOCA E PRODUZIRAM MUITAS COISAS ÚTEIS ATEE HOJE, ASSIM COMO EM MUITOS PAÍSES DO MUNDO, NESSA ORDEM DE IDEIA, OS NOSSOS INTELECTUAIS NÃO DEVEM QUEIXAR, PORQUE SOMENTE COM O REGRESSO ELES, DANDO AS SUAS CONTRIBUIÇÕES QUE VAMOS ULTRAPASSAR AS NOSSAS DIFICULDADE. PORQUE NÃO FAZ SENTIDO FICAR FORA DO PAIS ATÉ MOMENTO QUE TUDO JÁ É MAR DE ROSAS PARA VIR, ESTE É O MOMENTO CERTO QUE O PAÍS PRECISA DE TODOS OS SEUS FILHOS SEM RAZOES DE QUEIXAS PARA NÃO VIR CONTRIBUIR. FORCA POVO MARAVILHOSO E LUTADOR.

  2. Joaquim Luís fernandes disse:

    Como resolver as contradições históricas Do PAIGC do tempo da Luta de Libertação, sem nomear e analisar as suas causas? Não exige o rigor histórico que toda a verdade seja conhecida? Na insistência da tese da responsabilidade do assassinato de A.Cabral a orientações da PIDE, Pergunta-se: Que estratégias servia a sua morte? Tinha a PIDE uma estratégia contrária à do Governador e Comandante Chefe, General António de Spinola,cuja agenda política e militar visava conversações de paz com A.Cabral? A quem é que objetivamente serviu o assassinato de A.Cabral? O que nos diz sobre isso o desenrolar de todo o processo histórico da Guiné-Bissau dos últimos 40 anos?

    O conhecimento da Verdade, de toda a Verdade, será muito importante para a edificação do Estado da Guiné-Bissau, em bases seguras, na Paz da reconciliação e do perdão, mas sem sofismas, que nada resolvem e só dificultam no desenvolvimento que se deseja para o bem-estar dos Guineenses.

  3. Francisco Sanha disse:

    Ja estamos no caminho certo. Porque muitas verdades estao a ser ditas.

    Conhecendo a nossa historia, o nosso passado, poderemos saber quem nos somos, entender bem gravide dos problemas que criamos, so assim poderemos prevenir para que os erros do passado se repitam.

    Os nossos Historiadores se ja publicaram numero de perdas humanas durante a guerra colonial e guerra de 1998, eu pelo menos nao sei. Para mim, acho que serviria como licao para as novas geracoes.
    “SI BEBE KA SIBI KUMA FUGU TA QUEMA, ITA PUI MOM NAEL! “

  4. karlytos Barros disse:

    Não há insubstituíveis. Todavia a sucessão de Amílcar Cabral – líder prodigioso e carismático – 40 anos depois, ainda não se verificou. Angola foi mais afortunada. Perdeu Agostinho Neto mas, ganhou José Eduardo dos Santos.
    Eis o nosso drama. Contudo, não percamos a esperança!

  5. Paul Vandepitte disse:

    Bonjour Leopoldo

    Je fais mon commentaire plus tard. Texte important.

    si tu veux m’envoyer ton adresse électronique

    Cordialement

    Paul

  6. Mario Djedjo disse:

    Este homem deveria debater com o Mário Sissoko, e escrever um livro juntos sobre a nossa grande historia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa