MADEM E PRS AVISAM QUE NÃO RECONHECERÃO QUALQUER MESA DA ANP QUE NÃO TENHA SIDO CONSTITUIDA DE ACORDO COM O REGIMENTO

O Movimento para Alternância Democrática (MADEM-G15) e o Partido da Renovação Social (PRS) afirmaram esta quinta-feira, 09 de maio de 2019, que não vão caucionar nenhuma violação das disposições legais em vigor e, em consequência, não reconhecerão qualquer mesa da Assembleia Nacional Popular que não tenha sido constituída em estrita observância do regimento e da Constituição da República, condição prévia para os atos subsequentes.

A posição foi tornada pública através do comunicado de imprensa lido pelo porta-voz dos renovadores, Victor Pereira, depois de uma reunião cimeira dos líderes das duas formações políticas representadas no hemiciclo guineense, no qual repudiam as atitudes incongruentes do presidente da mesa provisória da ANP na condução dos trabalhos do órgão de soberania e no qual o responsabilizam pelas consequências que possam advir do seu comportamento.

No mesmo comunicado, responsabilizam o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e seus aliados políticos pelas acusações infundadas proferidas contra o Presidente da República e pelos bloqueios políticos e institucionais criados na ANP, com as consequências econômicas e sociais que poderão mergulhar o país no caos total. Rejeitam igualmente a estratégia de fuga em frente dos comunicados de imprensa do PAIGC e seus aliados, advertindo-os das consequências que advenham dos seus comportamentos irresponsáveis, se continuarem a persistir o caminho da confrontação e do incitamento à desordem e à violência e ao não respeito à Lei Magna do país e do regimento da ANP, lê-se no comunicado.

O documento rubricado pelos líderes das duas formações política mostra preocupação com a continuidade de uma crise artificial que não tem razão de ser protagonizada em nome de uma maioria na Assembleia Nacional Popular, ao contrário do espirito do acordo de Conakry, considerando a situação social e econômica crítica que o país atravessa, devido a gestão danosa do governo de Aristides Gomes, de acordo com a última avaliação do Fundo Monetário Internacional.

O comunicado acrescenta que, tendo em conta os contornos imprevisíveis que a atual crise poderá acarretar para o país, numa altura em que os guineenses aguardam pelo retorno à normalidade institucional, a cimeira dos líderes das duas formações revisitou o acordo de incidência parlamentar assinado entre as duas forças políticas no passado 12 de março do ano em curso, o pato de estabilidade política e social patrocinado pelo movimento nacional da sociedade civil e analisar a situação da constituição da mesa de ANP e dos processos subsequentes.

Por: Aguinaldo Ampa

One comment

  1. Armando Quadé disse:

    OS ANARQUISTAS SOMAM E SEGUEM A VONTADE! CLARO, “estrita observância do regimento e da Constituição da República” IMPERA A VOTAÇÃO DE TODOS OS DEPUTADOS EM BRAIMA CAMARÁ… ASSIM PERGUNTAMOS, ENTÃO PORQUÊ QUE ESTAMOS NO MULTIPARTIDARISMO!? PORQUÊ QUE NÃO DECLARARMOS SIMPLESMENTE A DITADURA DO PARTIDO ÚNICO CHAMADO MADEM-Z15 E O BRAIMA CAMARÁ COMO REI DA SELVA CHAMADO GUINÉ-BISSAU!? ALLAHAU WAK-BARU

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa