Eleições presidenciais: DIREÇÃO DE APU-PDGB DENUNCIA ACORDO ASSINADO ENTRE NUNO NABIAM E ÚMARO SISSOCO EMBALÓ

A direção de Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB) denunciou no início da noite desta quinta-feira, 05 de dezembro de 2019, o acordo político assinado por seu líder e candidato derrotado na primeira volta das eleições presidenciais, Nuno Gomes Nabiam e Umaro Sissoco, no qual compromete-se apoiar este último na segunda volta prevista para dia 29 do mês em curso.

A denúncia do referido acordo político assinado em Dacar (Senegal), entre Nabiam e Sissoco, foi tornado público através do comunicado assinado por todos os cinco vice-presidentes e a direção do secretariado nacional daquela terceira maior formação política no hemeciclo guineense, designadamente: Mama Saliu Lamba, Armando Mango, Joana Cobna Nhanca, Fatumata Djau Baldé e Batista Té, bem como por Secretário Nacional, Juliano Fernandes, no qual decidiram demarcar-se do referido acordo político, que Nabiam diz ter assinado em nome do seu partido.

O acordo político, assinado ontem em Dacar, refere que Nuno Nabian vai trabalhar em conjunto com os partidos que o apoiam para assegurar que o seu eleitorado se mantenha coeso, evite dispersão de votos e se consolide em torno de Úmaro Sissoco Embaló.

“Em caso de vitória, as partes comprometem-se a trabalhar juntos para promover a concórdia nacional, a unidade nacional e a criar um clima de paz e estabilidade indispensável ao bom desempenho do cargo de Presidente da República”, refere-se o acordo de Dacar.

A direção do partido esclareceu esta noite em comunicado enviado à imprensa que o candidato (Nuno Nabiam) suportado pelo partido e que ocupou a posição do terceiro mais votado na primeira volta, tomou uma “decisão unilateral” sem consultar os órgãos superiores do partido. No entanto, a direção afirma que o acordo assinado por Nuno Nabian para apoiar o candidato do MADEM-G 15, Úmaro  Sissoco Embaló, não reflete e nem engaja a APU-PDGB. 

Recorde-se que na sequência das eleições legislativas realizadas a 10 de março deste ano, a APU-PDGB fez um acordo de incidência parlamentar e da estabilidade governatova com o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), vencedor do escrutínio, permitindo a formação do atual Governo, liderado por Aristides Gomes.


Por: Assana Sambú

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa