GUINÉ-BISSAU IMPORTA POR ANO 80 A 100 MIL TONELADAS DE ARROZ

O diretor-geral de agricultura, Carlos Amarante, revelou nesta segunda-feira, 09 de dezembro de 2019, que a Guiné-Bissau importa anualmente oitenta a cem mil toneladas de arroz, o que custa muito dinheiro ao Estado guineense que poderia ser canalizado ou investido em outras áreas prioritárias, para impulsionar a economia do país.

Carlos Amarante fez esta revelação numa entrevista concedida ao jornal O Democrata no âmbito do seminário de capacitação sobre o setor agrícola, que decorre na cidade de Buba, região de Quínara no sul do país e destinado a homens da imprensa dos diferentes órgãos de comunicação social espalhados por todo o país.

Carlos Amarante referiu neste sentido que, face à essa tendência  de importação de milhares de toneladas de arroz por ano, o ministério da agricultura perspectiva “reduzir drasticamente” a importação do arroz até 2025, com base no desafio do projeto “Terra Ranka”, pelo aumento da produção nacional de arroz.

Em reação ao desempenho do Projeto de Apoio ao Desenvolvimento Económico das Regiões Sul (PADES), Carlos Amarante considerou positivo o desempenho do PADES, sobretudo nos setores agrícola, pecuária e alfabetização de mulheres de três regiões do país, nomeadamente: a região de Bolama Bijagós, concretamente o setor de Bolama, na região de Quínara, nos setores de Empada e Tite, e na região de Tombali, setores de Catió e Bedanda, tendo por isso elogiado o rigor e a responsabilidade da coordenação do projeto face aos seus desafios e objetivos preconizados.

Porém, mostrou-se preocupado com a redução do nível de água no rio Geba que também tem ligação com o Senegal, onde  foram construídas, no território senegalês, duas barragens que impedem a circulação de grande quantidade da água para o território nacional, o que segundo disse, está a gerar grandes preocupações.

Por sua vez, o Coordenador do PADES, Adelino das Neves Nunes Correia, explicou que o projeto visa revitalizar a economia rural, melhorar a segurança alimentar e combater a pobreza rural nas regiões de Bolama Bijagós, Tombali e Quínara.

“Temos cerca de 40% dos beneficiárias que são mulheres e 42% são de idade jovem”, precisou, detalhando, contudo, que a sua organização promove atividades de geração de rendimentos, bem como auxilia as organizações rurais. O custo global  do projeto foi orçado em 18,97 milhões de dólares para seis anos e deve terminar em março de 2022.


Por: Epifania Mendonça                                  

Foto: E.M 

One comment

  1. Agostinho Rodrigues disse:

    Tendo enconta ao relato feito por deretor geral da agricultura na pessoa de Carlos Amarante, isso demonstra a fraquesa do nosso Estado por não ser capaz de criar uma politica solida na area agricula.Um país como a Guine Bissau onde a agricultura tem uma percentagem siguinificante no nosso PIB, como é possivel um país que vive mais da agricultura importa cada ano oitenta a cem mil toneladas de arroz.lamento muito obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa