FUNCIONÁRIOS IMPEDIDOS DE ACEDER AOS SEUS GABINETES NA SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

O presidente do Sindicato de base dos Trabalhadores da Secretaria do Estado dos Transportes e Comunicações, António Santana Orindo, disse na segunda-feira, 13 de Janeiro de 2020, que o sindicato desconhece as razões que estão na origem da proibição de os funcionários afetos a esse departamento governamental acederem aos seus gabinetes de trabalho.  

Contatado pelo jornal O Democrata para falar sobre os motivos pelos quais  agentes da polícia de ordem pública proibiram  a entrada de funcionários, António Santana Orindo revelou que o impasse iniciou na sexta passada, 10 de Janeiro. Porém, inicialmente apenas as secretárias terão sido impedidas de terem acesso aos gabinetes e obrigadas a abandonar as instalações.

“Mas os restantes funcionários trabalharam normalmente”, indicou, informando, no entanto, que apenas esta manhã foram confrontados com tal situação, desde que o Primeiro-Ministro, Aristides Gomes, retirou  confiança ao Secretário de Estado dos Transportes e Comunicações, Samuel Dinis Manuel. Todavia, até ao momento da entrevista, o sindicalista disse não estar na posse de informação oficial sobre a razão do impedimento.

“Chegamos esta manhã para mais um dia de trabalho,  mas supreendentemente fomos impedidos de aceder ao edifício por dois agentes, alegando estar a  cumprir apenas ordens dos seus superiores”, disse António Santana Orindo. 

A repórter  do jornal O Democrata que tentou entrar no edifício também foi barrado o acesso por dois agentes policiais alegando terem recebido ordens dos superiores no Ministério do Interior. 

O Democrata soube de uma fonte que a medida terá sido tomada pelo ministro do Interior, que se encontra neste momento no estrangeiro, e visa impedir o acesso do Secretário de Estado de Transportes e Comunicações a quem foi  retirada a confiança política pelo chefe do executivo Aristides Gomes, em novembro transato por ter integrado o elenco governamental de Faustino Imbali na altura, mas que entretanto não foi ainda exonerado formalmente das suas funções por um decreto presidencial nos termos da lei. 

O sindicalista revelou igualmente na mesma entrevista que foram canceladas todas as verbas de   funcionamento que recebiam das empresas públicas sob tutela desse departamento governamental. Segundo Santana Orindo esses valores  eram canalizados para o pagamento  de funcionários em regime de contratados.

“Grande parte desses trabalhadores tinha sido recrutada pelos responsáveis que passaram pela Secretaria de Estado de Transportes e Comunicações ”, denunciou.  

Por: Epifania Mendonça

Foto: E.M

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa