MINISTRO DE SAÚDE REVELA QUE METADE DE NÚMERO DE PESSOAS QUE VÃO DE JUNTA MÉDICA NÃO SÃO DOENTES

O ministro da Saúde Pública, António Deuna, revelou hoje, 29 de julho de 2020, que o número de pessoas que vão de junta médica para Portugal, metade delas não são doentes, mas conseguem todos os documentos que as acreditam como pacientes. Considerou a situação “lamentável”, sublinhando que é preciso criar mecanismos para acabar com essa “situação vergonhosa para a imagem do país”.

Interpelado pelos deputados na sessão parlamentar de hoje, o governante indicou, por isso, que a melhor forma de acabar com essa “situação nefasta” é criar uma nova comissão que passará a responsabilizar-se deste trabalho e definir critérios claros para atribuir a junta médica e garantiu que, enquanto responsável do ministério, tudo fará para ultrapassar a situação.

“Os documentos dos médicos devem ser sagrados, mas na Guiné-Bissau não é o caso, porque banalizaram por completo a profissão ao ponto de atribuir junta médica a pessoas que não são doentes “, criticou.

Em relação à morosidade que se tem verificado no concernente aos processos de junta médica, o titular da pasta de saúde pública informou que tem a ver com a marcação das consultas médicas no exterior.

“Às vezes é uma situação que não depende do médico ou do ministério da Saúde Pública”, esclareceu.


Por: Aguinaldo Ampa

Foto: A.A

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa