Covid-19: ALTA COMISSÁRIA CRITICA FRACO USO DE MÁSCARAS E POUCO CUMPRIMENTO DE MEDIDAS DE PREVENÇÃO

A alta comissária para a covid-19,  Magda Robalo, criticou esta sexta-feira, 23 de outubro de 2020, que há cada  vez mais um fraco uso de máscaras e pouco cumprimento das medidas de prevenção da parte da população. Segundo Magda Robalo, os resultados de sensibilização sobre a covid-19 são cada vez mais insuficientes, devido ao fraco uso de máscaras, à não observância do distanciamento físico, bem como  à falta da  lavagem frequente das mãos.

Magda Robalo falava depois da visita conjunta às comunidades efetuada pelo Alto Comissariado, a Cruz-Vermelha da Nacional e organizações parceiras, no âmbito da luta contra a covid-19, para fazer uma avaliação dos resultados das  sensibilizações feitas nas comunidades,  nomeadamente, em Antula Cuio, Santa-Clara/São Paulo e Mercado de Plack-2.

Magda referiu que a visita permitiu ir ao terreno verificar o que se passa e como é que as medidas estão a ser aplicadas e ter contato com a população e ouvir as suas preocupações.

Na sequência desse contato, a Alta Comissária apelou às populações para que usem sempre as máscaras, que pratiquem o distanciamento social e evitem aglomerações. Contudo, reconheceu que as condições dos mercados são impraticáveis e também nas residências há dificuldades  em termos de ventilação e de espaço para as pessoas viverem, mas “é preciso fazer um esforço e continuar a lutar contra a doença, sobretudo pela via da lavagem frequentemente das mãos com água e sabão”.

“As aulas iniciaram e agora é mais uma oportunidade para as pessoas vindas de sítios diferentes se encontrarem durante várias horas, oportunidade que poderá transformar-se em também fonte de transmissão da infeção”, lamentou.

“Não vamos desistir,  porque a doença causada pelo novo Coronavírus existe na Guiné-Bissau e na Europa, vários países estão a ter uma forte vaga neste momento”, precisou para de seguida  indicar que a Guiné-Bissau está em risco elevado de ter casos importados dos países europeus e que poderão provocar infecções secundárias.

Por sua vez, o presidente da Cruz-Vermelha Nacional, Sadna Nabitã, sublinhou que a visita permitiu constatar que os desafios ainda continuam, não obstante esforços para fazer passar a informação de prevenção do Coronavírus, porque o combate ainda continua a enfrentar algumas resistências em relação ao cumprimento das mediadas, sobretudo “em por na prática o uso das máscaras e o distanciamento físico”.

Sadna Nabitã chamou atenção à população em geral no sentido de continuar a respeitar as medidas de prevenção, de contrário todo o trabalho feito pela sua organização desde o início  de sensibilização sobre as medidas de prevenção não fará sentido, se as pessoas continuarem a resistir em por na praticar as medidas.

Neste sentido, manifestou a disponibilidade da organização para continuar a trabalhar com os parceiros no sentido de colmatar as lacunas registadas, uma vez que a propagação ainda continua e uma nova vaga surge nos países europeus, por isso “é preciso e há toda a necessidade de trabalharmos em sinergia para uma saída viável”.


Por: Carolina Djemé

Fotos: C.D

One comment

  1. Excelente trabalho Alta Comissária, mas, saliento dizendo que a minha SOCIEDADE ainda tem problema muitíssimo sério, o de MUDANÇA MENTAL…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa