Jogos Olímpicos de Tóquio: GUINÉ-BISSAU PARTICIPA COM QUATRO ATLETAS E COM ESPERANÇAS NO JOVEM FAFÉ

A Guiné-Bissau contará com uma delegação de quatro atletas nos Jogos Olímpicos de Tóquio’2020, dois de luta livre, uma de judo e um de atletismo. O jovem Diamantino Fafé, atleta de luta livre, é o elemento com mais cotação na comitiva nacional, isto devido às conquistas protagonizadas no Campeonato Africano e Torneio Sassari City, nas quais arrecadou medalhas de Ouro para o país.

Fafé competirá na categoria de 57 kg e é o atleta guineense com maior “performance”. Lidera o ranking africano na sua categoria e mundialmente está na nona posição. O jovem atleta de luta livre é, sem dúvida, de acordo com os analistas do desporto, a maior esperança da Guiné-Bissau em termos de medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que vão iniciar-se no dia 23 do mês em curso.

A informação foi transmitida ao Jornal O Democrata na terça-feira, 13 de Julho, pelo diretor técnico do Comité Olímpico da Guiné-Bissau, Mário Lopes Ferreira, durante uma entrevista telefónica, com o objetivo de abordar mais uma participação da Guiné-Bissau numa competição olímpica. 

“Temos esperanças em todos os nossos atletas que conseguiram a qualificação para os Jogos Olímpicos, mas se formos ver pelo grau da hierarquização, temos que admitir e colocar Diamantino Fafé na primeira posição, tendo em conta os resultados conseguidos a nível do continente africano e a sua posição no ranking mundial”, disse.

Mário Lopes Ferreira reconheceu que embora Diamantino Fafé não vá lutar apenas com atletas africanos, realçou que os resultados conseguidos colocam-no na capa da categoria dos 57kg.

“Ele é capa desta categoria. É uma esperança, porque já tem três medalhas de ouro, um de prata e um de bronze, por isso se constatar os seus resultados e a sua posição no ranking mundial, está claramente bem posicionado, embora saibamos que não vão participar apenas atletas africanos”, notou. Contudo, sublinhou que é preciso um grande esforço para alcançar a medalha olímpica.

Segundo a explicação de Lopes Ferreira, embora Fafé seja atleta com maior performance neste momento, é importante levar em conta as experiências de Augusto Midana, que já conquistou 18 medalhas de Ouro para a Guiné-Bissau e as da judoca Taciana Baldé (- 48 kg). Os dois atletas acumularam vasta experiência em diferentes competições internacionais em que têm participado com a bandeira nacional.

PAÍS SONHA COM EXPERIENTES LIMA BALDÉ E AUGUSTO MIDANA NO PÓDIO

Ferreira diz que Midana de 74 kg, seis vezes campeão africano de luta livre, acumulou enorme experiência por vários anos em Jogos Olímpicos e nos Campeonatos Africanos da modalidade, tendo conquistado dez medalhas de Ouro, três de Prata e cinco de Bronze para a Guiné-Bissau, por isso tem uma palavra a dizer nos jogos Olímpicos do Tóquio.

Em relação à judoca Taciana Baldé, a melhor de África, na categoria dos 52 kg, o diretor técnico do Comité Olímpico disse acreditar que a atleta, a par de Augusto Midana, acumulou experiências em diferentes competições, o que pode pesar muito na competição e permitir que a Guiné-Bissau alcance a primeira medalha nos Jogos Olímpicos.

A Guiné-Bissau participa nos Jogos Olímpicos Tóquio`2020 nas modalidades de luta livre, judo e atletismo. O atleta Seco Camará, que participa nos 100 metros em atletismo, só marca presença na prova por convite endereçado pelos organizadores ao Comité Olímpico da Guiné-Bissau.

Embora seja um atleta promissor no atletismo nacional, Lopes Ferreira não deposita grande esperança no jovem atleta, uma vez que as corridas de 100 e 200 metros são dominadas por atletas Norte-Americanos e Jamaicanos. 

Sobre os preparativos da caravana da Guiné-Bissau, O Democrata soube que os dois atletas de luta livre, Augusto Midana e Diamantino Fafé, estão a ultimar os seus estágios na Itália. A judoca Taciana Baldé, que será a primeira atleta a competir nos Jogos Olímpicos pela Guiné-Bissau, está a treinar e a estagiar-se, ao mesmo tempo, em Espanha e o jovem Seco Camará está a trabalhar em Bissau, e nos próximos dias deve viajar para um dos países europeus para ultimar os seus preparativos.

Numa breve entrevista telefónica na quarta-feira, 14 de Julho, com Augusto Midana e Diamantino Fafé, os dois atletas transmitiram a O Democrata que têm um objetivo que é alcançar o pódio nos Jogos Olímpicos, ou seja, ficar nos três primeiros lugares.

“Estamos focados nos treinos e a ultimar o nosso estágio em Itália, mas com esperança de que continuaremos a trabalhar para alcançar o pódio nas olímpiadas que vão iniciar brevemente”, disseram Midana e Fafé.

Caso não alcancem o pódio, os dois esperam superar a participação da Guiné-Bissau na modalidade, nos Jogos Olímpicos de Londres, onde ficaram em sétima posição.

Seco Camará, que vai participar pela primeira vez nos Jogos Olímpicos, disse a O Democrata que a sua maior ambição é fazer surpresas na competição, embora sabendo das dificuldades que têm pela frente.

“Estou muito motivado para participar pela primeira vez nesta competição e penso que, no poder de Deus, vou tentar fazer tudo e dar o meu máximo para trazer medalha”, argumentou. 

O Democrata contatou a judoca, Taciana Lima Baldé, para conversar sobre os seus preparativos para os jogos olímpicos e a sua expetativa de chegar ao pódio. Para além do contato, o repórter deixou uma mensagem no seu Instagram, mas não reagiu até ao fecho da edição. 

O diretor técnico do Comité Olímpico da Guiné-Bissau, Mário Lopes Ferreira, explicou a O Democrata que os atletas vão partir para Tóquio de forma faseada, devido à pandemia provocada pelo novo Coronavírus (Covid-19).

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020, adiados para este ano devido à pandemia de covid-19, realizar-se-ão de 23 de Julho a 08 de agosto de 2021.

Por: Alison Cabral

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.