Opinião: UNIÃO PARA VENCER A BATALHA CONTRA A PANDEMIA

No dia 28 de agosto do ano corrente, graças aos esforços conjuntos dos dois governos, 100.000 doses de vacinas de COVID-19 (Sinopharm) doadas pela China à Guiné-Bissau chegaram a Bissau e foram entregues à parte guineense para uso  de emergência. Desde o surto da pandemia, a China e a Guiné-Bissau têm trabalhado ombro a ombro e realizado ativamente cooperação através de diversos canais, escrevendo um novo capítulo da sólida amizade bilateral.

Hoje em dia, quando a variante Delta da COVID-19, entre outras, está a espalhar-se ao ritmo acelerado em muitos países, a situação internacional da pandemia ainda está grave. Portanto, a vacinação torna-se uma medida essencial para defender a saúde e a segurança dos povos em todo o mundo. No início da pandemia, a China começou a promover pesquisa e desenvolvimento de vacinas e tem realizado até agora cooperação com mais de 20 países. Atualmente, mais de 100 países já aprovaram o uso a 4 vacinas chinesas, das quais 2 entraram na lista do uso de emergência e lista de compra do Programa Acesso Global às Vacinas de COVID-19 (COVAX) da iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Como o primeiro país que promete tornar as vacinas um produto público global, a China sempre defendeu o conceito da construção duma comunidade global de saúde para todos, apoia a isenção dos direitos de propriedade inteletual das vacinas, e tem oferecido, com os máximos esforços, vacinas à comunidade internacional, especialmente aos países em vias de desenvolvimento. Até a data presente data, a China já forneceu 770 milhões de doses de vacinas a mais que 100 países e organizações internacionais, ocupando o primeiro lugar no mundo. Isso injetou ao mundo um estimulante cardíaco para vencer esta batalha contra a pandemia sem precedentes. Em 5 de agosto do ano corrente, o Presidente da China, Sr. Xi Jinping anunciou no Fórum Internacional da Cooperação de Vacinas da COVID-19 que o país providenciará, em todo o ano, 2 bilhões de doses de vacinas ao mundo e doará 100 milhões dólares a COVAX. O Conselheiro de Estado e o Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Sr. Wang Yi salientou na ocasião que é preciso reforçar as assistências aos países em vias de desenvolvimento, melhorar a eficácia da cooperação internacional e construir várias linhas de defesa contra a COVID-19.

Desde o surto da pandemia, a China tem prestado prontamente e de forma proativa as informações à OMS, Estados Unidos e outros países, divulgado as informações de maneira aberta, transparente e responsável, compartilhado com outros países as experiências de prevenção, controle e tratamento dos infectados, e lançado uma ação humanitária global em grande escala. Além disso, a China sempre atribui grande importância à questão do rastreio da origem do vírus e já convidou duas vezes os especialistas da OMS para conduzir um estudo conjunto no país. Em Março do ano corrente, a OMS divulgou o relatório conjunto China-OMS com a conclusão científica de que vazamento laboratorial é extremamente improvável e as sugestões importantes tais como realizar mais pesquisas sobre casos anteriores em todo o mundo e mais estudo sobre a possibilidade da transmissão viral pela cadeia fria, o que receberam o reconhecimento geral da comunidade internacional e do círculo científico. No entanto, algun país individual desconsidera os fatos e pratica manipulação política da pandemia, estigmatização do vírus e instrumentalização do rastreio da origem do vírus, tentando questionar o consenso dos cientistas com a teoria da conspiração inventada pelas agências da inteligência. Tudo isso compromete gravemente o rastreio científico e a batalha global contra a pandemia. A China apoia consistentemente os cientistas a realizar o rastreio da origem do vírus com espírito profissional e está disposta a continuar a participar ativamente no rastreio mundial com o espírito de abertura, transparência, ciência e cooperação, defendendo a boa atmosfera de cooperação desta batalha global.

A pandemia do novo coronavírus trata-se dum desafio comum para todo o mundo e nenhum país pode se livrar dos seus impactos. Somente com a solidariedade e a cooperação venceremos esta batalha. Gostaria de estender os meus agradecimentos ao governo da Guiné-Bissau por providenciar a vacinação aos cidadãos chineses residentes aqui. A doação de vacinas da China à Guiné-Bissau é a melhor interpretação do apoio mútuo entre países nesta batalha global contra a pandemia. A China continuará a aprofundar a cooperação com a Guiné-Bissau no domínio da saúde, apoiar os esforços da Guiné-Bissau contra a pandemia e ajudar com os máximos esforços o país no seu desenvolvimento económico e social. Se for necessário, a China está preparada a fornecer novamente assistência de vacinas à Guiné-Bissau, contribuindo assim para construção da linha de defesa imunológica no país e proteção da vida e saúde dos irmãos guineenses.

A República Popular da China fica disposta a trabalhar com a República da Guiné-Bissau no sentido de salvaguardar a segurança da saúde pública global e construir de mãos dadas uma comunidade global de saúde para todos. Juntos vamos vencer a batalha contra a pandemia e abraçar um futuro ainda mais brilhante!

Por: Guo Ce,

Embaixador da República Popular da China na Guiné-Bissau

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.