LÍDER DO CNA PEDE DEMISSÃO DO GOVERNO OU UMA REMODELAÇÃO “PROFUNDA”

O presidente do Conselho Nacional Africano (CNA), Braima Djaló “Obama”, pediu ao chefe de Estado, Umaro Sissoco Embaló, para demitir o governo liderado por Nuno Gomes Nabian ou proceder a uma remodelação “profunda”, colocando na governação pessoas ou  técnicos à altura de fazer a Guiné-Bissau avançar.

Braima Djaló disse que jamais o CNA apoiaria um governo que aterroriza o povo e não garante a paz social. Adiantou que o seu partido não está disponível para integrar nenhum governo desta natureza, porque “ têm “projetos concretos” para convencer os eleitores a votarem nos seus programas.

“A paz social tem seus custos e é preciso investir muito para que os cidadãos guineenses tenham a paz social que está a degradar-se a cada dia que passa na Guiné-Bissau, razão pela qual é necessário trabalhar seriamente na boa governação”, disse.

O líder do CNA falava em conferência de imprensa, esta terça-feira 21 de setembro de 2021, na qual  denunciou que o país está inseguro a todos os níveis.

Em relação ao boicote dos trabalhos no hospital nacional Simão Mendes pelo sindicato dos Quadros Superior de Saúde (SINQUASS) e pelo Sindicato Nacional dos Enfermeiros, Técnicos de Saúde e Afins (SINETSA), Braima Djaló lamentou e disse que a nova vaga de greve de 30 dias convocada pela UNTG revela que o governo de Nuno Gomes Nabian “não é um governo negociador”, porque “governar é negociar permanentemente com os sindicatos”.

Para Djaló as infraestruturas, sobretudo as rodovias, que estão a ser construídas, representa um “atentado à nação”.

“Estão a utilizar o dinheiro do erário público e a entregar os bens deste país a um grupo de incompetentes, fingindo que estão a construir estradas, isto é um atentado contra este povo e é tudo para destruir a nação”, afirmou.

Por: Filomeno Sambú

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.