Mensagem à nação: SISSOCO REITERA CONFIANÇA AOS GUINEENSES EM ULTRAPASSAR AS DIFICULDADES E PROMOVER A PAZ SOCIAL

O Presidente da República da Guiné-Bissau, UmaroSissoco Embaló, reiterou a confiança aos guineenses na sua capacidade de ultrapassar os constrangimentos e as dificuldades que se apresentam e “promover, em conjunto um clima de paz social, de entendimento entre todos os atores  sociais e forças vivas da nação, para construir uma Guiné-Bissau  unida e próspera”.

O chefe de Estado fez este apelo na tradicional mensagem à nação no âmbito da celebração da festa da independência, assinalada 24 de setembro. 

A Guiné-Bissau proclamou a sua independência a 24 de setembro de 1973, nas matas do setor de Boé, região de Gabú, leste do país, na voz do lendário e malogrado General-Presidente, João Bernardo Vieira “ Nino”.

O Presidente da República afirmou, no seu discurso, que os guineenses estão hoje mais orgulhosos do que nunca, de verem resgatada a credibilidade interna e externa do país, através de uma plena integração sub-regional, regional e internacional do Estado, destacando a dinâmica imprimida na diplomacia que visa aumentar o nível de respeitabilidade e de confiança do país no mundo.

“Associada a uma estabilidade político-institucional e contínua consolidação do Estado de direito democrático, essa realidade faz da Guiné-Bissau um país potencialmente atrativo para o investimento estrangeiro direto, com impacto sobre o seu desenvolvimento social e económico”, disse.

Eis na íntegra o discurso de Presidente da República…

Caros compatriotas 

GUINEENSES,

Ao celebrarmos o dia da independência nacional, num contexto de estado de calamidade, convido todos os guineenses a uma reflexão profunda e permanente sobre a forma de melhor preservarmos a unidade e coesão nacional. A estabilidade política, o fortalecimento das nossas instituições democráticas, a melhoria dos indicadores socio-económicos, nomeadamente os de desenvolvimento humano e de crescimento económico, em prol do bem-estar social da nossa população.

É por esta razão que, coloquei toda a  minha energia  ao serviço do povo guineense, com  objectivos definidos por ocasião da minha investidura ao mais alto cargo da nação guineense, fruto da confiança que depositaram em mim. Essa é, e continuará a  ser, a minha nobre missão, enquanto Chefe de Estado, para a qual não pouparei esforços.

Em 2020, iniciamos um novo ciclo político que coincide com uma clara mudança de geração. De uma geração que enfrentou os fracassos registados ao longo dos 48 anos de independência, para uma geração que, hoje, está determinada em traçar um novo rumo para  a Guiné-Bissau. 

Não é por acaso que chamei a esta geração- que é minha- a Geração do Concreto.

Hoje, os guineenses estão mais orgulhosos do que nunca, de verem resgatada a credibilidade interna e externa do nosso país, através de uma plena integração sub-regional, regional e internacional do nosso Estado, com destaque para a dinâmica da nossa diplomacia que,  visa aumentar o nível de respeitabilidade e  de  confiança do nosso país no mundo. 

Associado a uma estabilidade político-institucional e contínua consolidação do Estado de direito democrático, esta realidade faz da Guiné-Bissau um país potencialmente atractivo para o investimento estrangeiro directo, com impacto sobre o seu desenvolvimento social e económico.

Temos o dever e a responsabilidade, enquanto cidadãos e patriotas, de preservar as conquistas que vamos alcançando e o respeito que vamos granjeando em África e no mundo, o que requer a implementação de acções mais enérgicas e  eficientes no plano interno, com especial destaque para a luta sem tréguas contra a corrupção e a injustiça. 

A urgência de avanços notórios no domínio das grandes reformas estruturantes do Estado, sejam elas da administração pública, da defesa, segurança e da justiça.

Se assim for, estaremos todos nós, em conjunto e numa sinergia para criar as condições necessárias e indispensáveis  para a promoção e valorização do capital humano que constitui o motor principal para o desenvolvimento dos sectores sociais como a saúde e a educação,  das infraestruturas, do sector produtivo e da economia digital.

A pandemia da covid-19,  que assola cruelmente o mundo,  há mais de um ano e meio, ensinou-nos que há desafios inesperados e que, nos devem  incentivar a aumentar a nossa capacidade de organização e de resiliência, razão pela qual, tomamos, juntamente com o Governo, medidas institucionais e sanitárias que visam melhorar e combater esta ameaça à saúde pública e à economia nacional.

Fidjus di Guiné,

Permitam-me, antes de terminar, reiterar-vos a minha confiança na nossa capacidade em ultrapassarmos os constrangimentos e as dificuldades  que se apresentam, e promovermos um clima de paz social, de entendimento entre todos os actores  sociais e forças vivas da nação, para construirmos uma Guiné-Bissau  unida e próspera.

Viva a Guiné-Bissau!

Por: Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.