XXXIIIª reunião de convênios CPLP: MINISTRO DO AMBIENTE AFIRMA QUE A CRIAÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS REQUER UMA ABORDAGEM MULTISSETORIAL

O Ministro do Ambiente e Biodiversidade, Viriato Soares Cassamá, afirmou esta segunda-feira, 28 de novembro de 2022, que a necessidade de criação de infra-estruturas requer uma abordagem multissectorial para o desenvolvimento socioeconómico dos países da CPLP.

Viriato Cassamá falava na abertura dos trabalhos cinco dias, de 28 de novembro a 2 de dezembro, da trigésima terceira reunião de coordenação dos convénios de cooperação entre laboratórios da engenheira civil e décimo primeiro encontro Técnico-científico dos laboratórios da engenharia civil da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP), que decorre em Bissau.

O titular da pasta do ambiente assegurou que planificar o desenvolvimento é “deveras importantes”, pois serve para fortalecer os instrumentos de políticas públicas, a implementação das mesmas dentro do princípio de complementaridade.  

“No caso da Guiné-Bissau, devido à sua estrutura económica frágil, têm-se registado iniciativas de relevo em prol de criação das estruturas rodoviárias e portuárias que obedecem ao princípio de colaboração intersectorial”, enfatizou.

O governante alertou que não se pode descurar que o desenvolvimento e esforços inerentes têm sido ameaçados com o fenómeno das alterações climáticas tais como inundações nas zonas costeiras, onde se concentram as mais importantes vias rodoviárias e a construção de acessibilidades às energias novas e renováveis como a solar que constitui a prioridade do país.

O titular da pasta do ministério do ambiente apelou a todos os participantes à maior colaboração em prol do desenvolvimento sustentável a bem de todos, tendo alertado para as dificuldades financeiras  que o mercado enfrenta  está a tornar tudo volátil e inseguro, porque  “as empresas querem inovar, mas não têm grandes capacidades financeiras para investir”

Por sua vez, Eduardo Fortunato, Vogal Conselheiro diretivo da Engenharia do Laboratório Nacional de Portugal, disse que o programa de capacitação dos laboratórios dos países da CPLP visa contribuir para uma boa governação, criação de ferramentas para a garantia de qualidade e segurança das obras e para a construção sustentável, através da implementação da economia certa.    

Fortunato assegurou que o projeto de capacitação está em linha com os princípios dos objetivos da CPLP, que estabelece que os Estados membros assumem o compromisso de reforçarem os laços de solidariedade e cooperação que os unem, conjugando iniciativas para a promoção do desenvolvimento económico.

Sublinhou que um dos aspetos fundamentais para o crescimento económico sustentável inclusivo é a implementação dos objetivos sustentáveis nas suas três dimensões: social, económico e ambiental.   

  

Por: Carolina Djemé 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *