REVERTER A PANDEMIA DE OBESIDADE A NÍVEL GLOBAL

O aumento mundial da obesidade rivaliza com guerra e tabagismo em termos da carga económica mundial que ele impõe.

A obesidade não é mais uma preocupação exclusiva de rendimento, nos países desenvolvidos. A prevalência da obesidade e o excesso de peso aumentou em todas as regiões, inclusive nos países de baixo rendimento. Hoje, quase a metade de todos os países estão a lutar junto com a malnutrição e sobre peso/obesidade. Na verdade, a malnutrição e a obesidade sempre coexistem nas mesmas comunidades—inclusive nas mesmas casas.
As transformações económicas e sociais, incluindo os rendimentos mais elevados, em muitos países de rendimento médio e baixo e de disponibilidade, a preços relativamente atractivos, de mais alimentos processados levaram a mudanças no estilo de vida, incluindo hábitos alimentares e actividades físicas reduzidas em todo mundo.

Não houve diminuição da obesidade em qualquer país do mundo entre 2000 e 2013. A OMS estima que há 1,9 bilhão de pessoas com excesso de peso, dos quais um terço é obeso.

Isso envolve custos sociais e económicos que, acrescentados aos custos resultantes da malnutrição, a sociedade não pode se dar ao luxo de os suportar.

A edição de 2013 do estado da alimentação e agricultura da FAO, sublinhou que os encargos sociais devido ao excesso de peso e obesidade duplicaram nas últimas duas décadas. De acordo com o relatório, o custo acumulado de todas as doenças não transmissíveis, para o qual o sobrepeso e a obesidade são factores de risco principais, foram estimados em cerca de US $ 1,4 trilhão em 2010.

Recentemente, o McKinsey Global Institute estimou que os custos globais da obesidade – incluindo o aumento do risco de doenças cardíacas, hipertensão, derrame, diabetes e alguns tipos de câncer que afecta a qualidade de vida – podem ser muito elevados podendo atingir $ 2 trilhões por ano, em terceiro lugar só para fumar (US $ 2,1 trilhões) e conflitos armados (US $ 2,1 trilhões)!
Embora os números não são comparáveis e variam, as estimativas globais dos custos económicos da obesidade e sobrepeso, eles coincidem em sua escala. (US $ 2,1 trilhões)!
Agora, pense no que poderia ter sido feito para combater a malnutrição – fome e , deficiências de micro nutrientes e obesidade se pusemos esse quantidade de dinheiro para apoiar os esforços desenvolvidos. Aumentar o financiamento é necessário para ampliar os esforços, mas deve ser uma parte de um esforço maior para elaborar e implementar estratégias, nossa abordagem para combater a malnutrição em todas as suas formas, aprofundar o nosso foco para além das causas imediatas para incluir as implicações socioculturais, económicas e dimensões políticas de nutrição.

Este foi um desafio que foi retomado na Segunda Conferência Internacional sobre Nutrição (ICN2) em Roma, em Novembro 2014. Na Segunda Conferência Internacional sobre Nutrição (ICN2), os governos aprovaram a Declaração de Roma sobre a Nutrição e o Plano de de Acção, comprometendo-se a abordar o amplo espectro da malnutrição – incluindo a malnutrição aguda e grave, baixa estatura, emagrecimento, deficiências de micronutrientes, a obesidade e as doenças não transmissíveis relacionadas.

Progredir nas promessas exigirá grandes mudanças na forma em que abordamos a malnutrição. Ela implica a passagem de tratamento dos efeitos adversos da malnutrição para a prevenção, garantindo uma alimentação saudável equilibrada, para melhor combater as causas profundas da malnutrição, e vamos precisar de desenvolver novas políticas, estratégias e programas para nos ajudar a realizar tais promessas.
Algumas ideias orientadoras:

Primeiro, vamos reformar os nossos sistemas alimentares para garantir uma melhor nutrição para todos. O “Estado da Alimentação e Agricultura de 2013 mostrou como os sistemas alimentares influenciam a quantidade, qualidade, diversidade e conteúdo nutricional dos alimentos, e determinam a disponibilidade, acessibilidade e aceitação dos alimentos necessários para uma boa alimentação. Reformar nossos sistemas alimentares para melhorar a nutrição exigirá o aumento dos alimentos ricos em micronutrientes e garantir o tratamento saudável para minimizar a perda de nutrientes.

Segundo, devemos torna-lo mais fácil para os consumidores fazerem escolhas alimentares que promovem dietas saudáveis. Isto exige compromissos políticos, baseados sobre politicas e estratégias eficazes e coerentes . O que vai obrigar um maior investimento em programas de promoção e educação nutricional. Exigirá também a criação de escolas, postos de trabalho e comunidades que fazem dietas saudáveis de fácil acesso e incentivam as pessoas a fazerem mais exercícios físicos. Isso irá requerer habilitação dos consumidores com informações por meio da educação formal e informal sobre a nutrição popular e dar mais informações a eles sobre os alimentos que estão a ser vendido, inclusive por meio de uma rotulagem adequada.

Terceiro, criar uma abordagem de visão comum e multissectorial envolvendo governos, agricultura, saúde, retalhistas e outros sectores públicos e privados relevantes, bem como a sociedade civil. As múltiplas causas da malnutrição, incluindo a obesidade, requerem uma colaboração eficaz: nenhum sector ou entidade pode efectivamente resolver o problema por conta própria.

Quarto, acordos comerciais e de investimentos devem ser concebidos para influenciar positivamente os sistemas de alimentação. Ao melhorar a disponibilidade e o acesso a alimentos, o comércio eficiente e eficaz pode desempenhar um papel fundamental na realização dos objectivos de nutrição. Mas tais acordos não devem prejudicar a possibilidade de desenvolver a agricultura local. Prósperos sistemas nacionais e locais de agricultura não só reduzem a dependência dos países sobre as importações de alimentos, mas promovem maior diversidade em dietas, podem agir como um amortecedor contra elevados níveis de preços nos mercados internacionais e gerar empregos para ajudar na redução da pobreza rural.

A Segunda Conferência Internacional sobre Nutrição (ICN2) definiu o palco para todos os intervenientes se envolverem para reverter o rápido crescimento de obesidade a nível global. A Malnutrição, de subnutrição á obesidade, é evitável a um custo relativamente baixo, se trabalharmos bem. Revertamos rapidamente as tendências de obesidade para que a fome e todas as formas da malnutrição sejam resolvidos e pertencem ao passado.

Fonte: FAO

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.