Opinião: DOIS MESES SEM AULAS E TANTOS DE INDIFERENÇA DO GOVERNO!

O nosso povo tem todo o motivo para se orgulhar do seu passado histórico marcado por um momento particularmente glorioso e exemplificativo do sentido de patriotismo e compromisso com o bem-estar comum. Refiro-me à honrosa luta pela libertação dos povos da Guiné e Cabo-verde do colonialismo português. Uma luta que o PAIGC libertador e o seu inesquecível líder, Amílcar Cabral, mesmo antes da independência, consideraram do “programa menor”, não no sentido inferior da expressão, mas em comparação lógica com o que seria, na mesma perspectiva, o “programa maior” – reconstrução de uma sociedade, na altura, há mais de cinco séculos sob uma administração colonial que não apenas dominou o seu território; promoveu isolamento fractura entre comunidades já de si diferentes em termos étnicos e culturais; mas sobretudo impondo à população no território guineense o seu modo de ser e ver o mundo.

Era esta a sociedade que os nossos gloriosos combatentes da liberdade de pátria herdaram do colonialismo. No entanto, embora difícil a sua situação financeira, o novo Estado da Guiné-Bissau sabia da sua missão de levar o país ao progresso, depois de conseguir, de modo exemplar, unidade para a luta que libertou o seu povo do esquecimento. E a educação do povo, que é o que me motiva a este exercício, já se destacara como prioridade mesmo antes da independência do país, se bem que todos nos devemos recordar dos esforços consideráveis que os dirigentes do partido e o seu líder fizeram no sentido de garantir, mesmo que sob mangueiras ou à sombra de polons, que funcionassem escolas nas então zonas libertadas. Escolas com bons professores, com materiais que eram fundamentais para os alunos aprenderem com os seus professores e escolas que já prenunciavam a forte vontade de investir, de facto, na formação do homem novo que ia tomar conta de um Estado novo, erguido de cinzas de opressão colonial.

Hoje, 06 de Dezembro de 2018 e após 45 anos de independência, as aulas nas escolas públicas da Guiné-Bissau estão por começar. Quem diria a Cabral e seus camaradas que ia fazer para ser assim?! O governo abre o ano lectivo 2018/19 a 14 de Setembro, tendo no mesmo dia indicado a data de 01 de Outubro para o início das aulas, mas a realidade é que, depois de sessenta e sete dias, só as escolas privadas onde estudam os filhos dos governantes e outras é que se encontram de portas abertas, consequência de uma greve dos sindicatos de professores, que exigem do governo, sobretudo, a aprovação e implementação do Estatuto de Carreira Docente e pagamento de todos os atrasados mensais aos professores de diferentes categorias profissionais. Exagero ou não, a verdade é que, independentemente do tipo de governo em administração dos assuntos do Estado, a quem trabalha se deve o seu digno salário. O que não deixa de ser exagerado e incompreensível, no entanto, é a incapacidade de o governo convencer os sindicatos a levantarem a greve, numa altura em que o primeiro período lectivo se encontra praticamente perdido, estando o ano lectivo em perigo “de se salvar”, usando a triste expressão que, ao longo dos tempos que vivo e que estudei na Guiné-Bissau, se usa pelos próprios responsáveis do Ministério da Educação, quando não quiserem assumir as suas responsabilidades perante uma realidade educativa (evito dizer sistema educativo) desorganizada e representadora do que é a Guiné-Bissau desviada do “programa maior”.

Desde o dia 08 de Novembro passado, tem havido manifestações de diferentes formas e de modo continuado, por parte de diferentes quadrantes da sociedade civil, no sentido de pressionar e exigir do executivo liderado por Aristides Gomes o início das aulas nas escolas públicas, mas em resposta, ou é a polícia que bate em estudantes, ou é Ministro da Educação que, de modo indiferente, passa por alunos barricados em frente da instituição que tutela, como se esses não lhe dissessem a mais sagrada frase que qualquer governante digno desta alcunha devesse prestar em máxima atenção: “Bo danu no diritu! / No misti bai skola!”, ou seja, “Exigimos o nosso direito! / Queremos estudar!”. Mais do que triste, estamos perante uma situação vergonhosa, num país em que, não tarda, teremos comícios a colocar os setores de Educação e Saúde no topo dos seus projetos eleitorais, para depois nos manterem cada vez mais presos na ignorância e medo, enquanto povo. E é por isso que o povo é chamado a se erguer para o seu bem, para a sua sobrevivência, porque os tempos de “Djitu ka tem” já devem estar para a História, se quisermos retomar o sentido dignificante de ser guineense.

 

 

 

Por: Sumaila Jaló

Professor do secundário e estudante de História Contemporânea.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa