COMBATENTES DA LIBERDADE DA PÁTRIA DENUNCIAM QUE ESTÃO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE

O presidente de Comissão Instaladora da Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria, Brandão Bull da Malta, denunciou que a situação dos combatentes é muito vulnerável, tendo em conta as dificuldades que enfrentam bem como o tratamento que têm recebido dos sucessivos governos.

A denúncia foi tornada pública esta terça-feira, 14 de julho de 2020, durante a visita que o Secretário de Estado dos Combatentes da Liberdade da Pátria, Augusto Nhaga, efetuou a algumas cooperativas dos veteranos de guerra, em Bissau, nomeadamente: o Centro de reabilitação motora de Quelelé, os prédios residenciais dos antigos combatentes da liberdade de pátria (em Antula), as Cooperativas de Alfaiataria, a Oficina de Serralharia e o Centro de Acção Anti Minas (CAAMI), todos no bairro da Achada, para se inteirar da situação dessas cooperativas.

Brandão Bull da Malta pediu, por isso, maior engajamento do titular da pasta para melhorar as condições de vida dos combatentes e atribuir-lhes a dignidade que merecem.

“Não é possível que até agora os combatentes não tenham a dignidade que merecem, chegou o momento de o governo virar a sua atenção para os combatentes da liberdade da pátria”, vincou Bull da Malta.  

Em reação, o Secretário de Estado dos Combatentes da Liberdade da Pátria, Augusto Nhaga, prometeu que “trabalhará duro” para apresentar propostas junto do governo de Nuno Gomes Nabian para que este possa autorizar a recuperação das cooperativas dos combatentes da liberdade de pátria, em estado avançado de degradação.

Aos jornalistas, Augusto Nhaga diz acreditar que desta vez existe uma oportunidade para os combatentes da liberdade da pátria, porque “as atuais autoridades políticas já estão sensibilizadas sobre os assuntos dos combatentes e que muitos deles já passaram por lá como funcionários”.

Augusto Nhaga defendeu que é preciso trabalhar para o bem-estar dos combatentes, dada a sua contribuição na luta de libertação nacional, tendo sublinhado que estará aberto, assim que for solicitado, a fornecer ao governo todos os dados necessários relativamente à situação que constatou no terreno durante a visita e sobre os antigos combatentes.  

“Os combatentes da liberdade da pátria já não têm condições físicas para trabalhar, e se as cooperativas forem recuperadas e voltarem a funcionar normalmente, irão permitir  que seus os filhos sejam integrados nelas e evitar que caiam na delinquência, gratuitamente”, assinalou.  

O governante frisou que o resultado da visita aumentou o nível da responsabilidade que terá que enfrentar, de agora em diante, na resolução dos problemas dos combatentes e que a mesma  permitir-lhe-á fazer uma radiografia da situação dos combatentes da liberdade da pátria  de há um tempo a esta parte.


Por: Carolina Djemé

Foto:C.D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa