MINISTÉRIO DA SAÚDE ADMITE RUTURA DE MEDICAMENTOS NA GUINÉ-BISSAU

O inspetor-geral da Saúde Pública da Guiné-Bissau, Benjamim Dias, admitiu esta quinta-feira, 23 de julho de 2020, a existência de rutura dos medicamentos no país, devido à situação da pandemia do novo coronavírus.

Na semana passada, o vice-presidente da associação das farmácias da Guiné-Bissau, Braima Sy, afirmou que com a rutura de estoque, os associados apenas estavam a ter respostas a 10% das suas necessidades.

Braima Sy exortou o Governo a tomar medidas perante a situação que disse estar a atingir “níveis insuportáveis” com várias encomendas dos associados sem resposta por parte de empresas fornecedoras de medicamentos.

O inspetor-geral da Saúde Pública não avançou com um número exato, mas confirmou que há rutura de estoque de medicamentos no país já que, disse, as três empresas legalmente autorizadas para abastecer o mercado não o conseguem fazer de forma regular, notou.

Benjamim Dias disse que das três, apenas uma empresa tem estado a abastecer o mercado “com alguma regularidade”, mas mesmo esta tem dificuldades para fazer chegar os medicamentos junto das farmácias do interior do país, observou.

“Desde que foram autorizadas em 2017 a abastecer o mercado, nenhum dos grossistas têm estruturas no interior do país”, afirmou o inspetor-geral da Saúde Pública.

Na segunda-feira, Benjamim Dias vai reunir-se com os representantes de todas as farmácias em Bissau para ouvir as suas preocupações e conjuntamente delinear uma estratégia para fazer face ao problema.

O inspetor admitiu que a rutura também afeta o fornecimento às farmácias de produtos de higienização.


In lusa

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa