GUINÉ-BISSAU ESPERA MAIS INVESTIMENTO DA UEMOA NAS ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO

O ministro das Finanças, João Alage Mamadu Fadia, disse este sábado, 19 de junho de 2021, que  a Guiné-Bissau espera, no âmbito da cooperação financeira, mais investimento da União Económica e Monetária Oeste Africana (UEMOA), sobretudo nas áreas prioritárias para o desenvolvimento do país. Fadia manifestou esse desejo à saída da reunião com o novo presidente da Comissão da UEMOA, Abdoulaye DIOP, que está no país para apresentar-se às autoridades nacionais. 

O governante lembrou que, no âmbito da luta contra a Covid-19,  a UEMOA tinha disponibilizado um cheque de quinhentos milhões de francos CFA e desta vez deu mil milhões de Francos CFA para as atividades ligadas à vacinação na Guiné-Bissau.

“É isto que as instituições como a UEMOA fazem. Intervêm também no setor da agricultura. O projeto da iluminação da cintura da estrada São Paulo/Antula, agora Avenida Presidente Kumba Yalá, é tudo um trabalho da UEMOA”, frisou.

O ministro das Finanças disse  que Abdoulaye Diop está no país para agradecer às autoridades nacionais pela confiança depositada na sua pessoa e manifestar a sua disponibilidade para trabalhar para que a UEMOA continue a assistir os Estados Membros.

“Como ministro das Finanças e representante do Estado guineense no Conselho de Ministros da UEMOA, recebi-o em visita de trabalho e passamos em revista uma série de situações, que esperamos que tenha os seus frutos”. 

Questionado sobre o teor da conversa mantida na sexta-feira, 18 de junho, por videoconferência, com a Diretora Regional do Banco Europeu de Investimento (BEI), João Alage Fadia referiu que analisaram a situação de parte significativa de penalidades por não pagamento de dívidas que o país havia contraído com o BEI, no âmbito de vários projetos, nomeadamente: a Guinave, Guiné Telecom, a Fábrica de sapatos “YANDA”. 

Apesar desses equívocos, Fadia assegurou ter recebido garantias do BEI que estaria disponível para o financiamento dos setores da energia, infraestruturas rodoviárias, nomeadamente, a estrada  Bissau\Ziguinchor e Farim Tanaf.

“Falamos também da possibilidade de o BEI vir a financiar o setor da educação, neste caso, na construção de infraestruturas escolares, água e saneamento e da mobilidade urbana”,  salientou. Enfatizou neste particular que o  aspeto mais importante na conversa com a diretora regional do BEI ” é que estão em contato com o sistema bancário da Guiné-Bissau para o estabelecimento de uma linha de crédito para o financiamento de setor privado.

Entretanto, o presidente da Comissão da UEMOA,  Abdoulaye Diop, foi recebido também pelo vice-primeiro-ministro e pela Secretária de Estado do Plano e da Integração Regional, respetivamente, Soares Sambú e Mônica Buaro. Diop efetuou também uma visita de cortesia ao Presidente da Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassamá, na sua residência. No encontro com o líder do Parlamento guineense, abordou a questão relacionada com o Comité Interparlamentar da UEMOA.

A UEMOA é constituída por oito países, designadamente: Guiné-Bissau, Benin, Burkina Faso, Costa de Marfim, Mali, Níger, Togo e Senegal.

Por: Filomeno Sambú

Foto: F.S

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Figura de Semana

Edição Impressa