DIONÍSIO CABI DENUNCIA A “CORRUPÇÃO GENERALIZADA” NO PRS

O pretendente candidato à liderança do Partido da Renovação Social (PRS), Dionísio Cabi, denunciou na noite desta quinta-feira, 5 de agosto de 2021, a “corrupção generalizada” no seio do partido de “milho e arroz”, argumentando que para ser admitido como cabeça de lista do partido nas eleições legislativas, o candidato “paga, no mínimo, cinco milhões de francos CFA”.

Dionísio Cabi falava no ato de lançamento da sua candidatura à liderança dos renovadores, no bairro de Djolo, em Bissau, no qual disse que essa corrupcão generalizada no PRS é o reflexo do país que os guineenses têm e que também não está isento na corrupcão.

Dionisio Cabi acusou ainda a atual direção do PRS de não ter gerido o partido de forma convieniente, por isso Alberto Nambeia não deveria ser candidato.

O ex-presidente do Tribunal de Contas assegurou que decidiu liderar “a Aliança-Renovadora para Restauração do PRS” porque acredita que é capaz de inverter a situação em que se encontra o partido.

“Caso for eleito, a minha primeira missão é lutar pela restauração desta formação política, restituindo assim os poderes as bases do partido que devem constituir a essência do exercicio do nosso poder. Atualmente a base do partido é desrespeitada, inventando outras bases que não são as nossas, prova disso, o resultado obtido nas ultimas eleições é catastrofe”, sublinhou.

O dirigente do PRS advertiu que as bases do partido devem merecer uma atenção especial, o acompanhamento deve ser a função de restruturação técnica e política do partido que passa para a criação do regulamento interno, formação de uma equipa conjunta que possa ajudar o presidente do partido no exercicio das suas funções para evitar de ser um regulado.

Dionisio Cabi afirmou que se as reuniões dos órgãos do partido tivessem sido convocadas e se as decisões tivessem também tomadas de forma colegial, e não de forma individa por determinadas pessoas, sem conhecimento dos orgãos o partido, o PRS não estaria na situação em que se encontra neste momento.

“Neste momento não há liberdade e o partido está fracionado, sendo assim é preciso sermos corajosos ou corajosas para apoiar a candidatura de Dionisio Cabi, Artur Sanhá e Domingos Quadé. Neste tipo de clima, não há tranqulidade, paz e convivência pacífica entre os membros ou familiares do PRS. Portanto, o resultado é uma fragmentação, sem a esperança a vista para a sua resolução, porque a própria direção não está em condição de resolver todos estes problemas que criaram de maneira que a nossa candidatura é alternativa para sanear esse problema no Partido “.

Por: Aguinaldo Ampa

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.