PONTE SOBRE O “RIO COL” DEGRADADA E CORRE O RISCO DE DESABAR E CORTAR LIGAÇÃO ENTRE SUZANA E DEZENA DE ALDEIAS

[REPORTAGEM_agosto 2021] A ponte sobre o “rio col” está numa fase avançada de degradação e corre o risco de desabar e cortar a ligação entre Suzana e Cassolol, deixando quase cerca de uma dezena de tabancas/aldeias em isolamento total.

A ponte é uma alternativa encontrada em 2014, no âmbito de trabalhos de exploração de areias pesadas, devido às más condições da antiga ponte que não permitia passagem de  camiões.

A degradação em que se encontra a ponte foi revelada ao semanário O Democrata pelo Padre Victor Pereira, pároco da Igreja Católica de Suzana “Nossa Senhora da Luz”. 

O repórter do Jornal O Democrata esteve em Suzana na semana passada e deparou-se com uma aldeia completamente isolada devido às más condições das estradas, aliadas às dificuldades de escoamento dos produtos agrícolas.

A ausência de instituições de Estado é visível, sobretudo não há uma esquadra da Polícia da Ordem Pública. A esta ausência associa-se o número insignificante de agentes das forças da Guarda Nacional, aquartelamentos em ruína, a falta de técnicos de saúde, de laboratórios e de ambulâncias para evacuação de doentes.

“NÃO PODEMOS FALAR EM DESENVOLVIMENTO SEM INFRAESTRUTURAS RODOVIÁRIAS” – PADRE VICTOR PEREIRA

“A solução neste momento é reparar a antiga ponte, porque esta que construíram como alternativa está quase cortada. Se chover intensamente nestes dias, a população que vive na zona de Varela vai ficar em total isolamento. As autoridades foram informadas várias vezes dessa situação. Aliás, muitos passavam por cá aos fins de semana. Mas não se dignam a solucionar este problema.

A população está a sofrer muito nesta zona” lamentou o pároco da Igreja de Católica de Suzana “Nossa Senhora da Luz”, adiantando que a estrada que liga São Domingos a Varela, numa extensão de 54 km, está numa situação de quase intransitabilidade.

“Devido à chuva, há zonas em que a água cortou a estrada. Quando se chega a esses locais, os passageiros são obrigados a descer. Os carros ficam atolados. Chega-se a ver apenas um carro a fazer a ligação entre o setor e a secção, porque a estrada não está em boas condições. Não podemos falar em desenvolvimento sem infraestruturas rodoviárias” insistiu, apelando ao governo, através do ministério das Obras Públicas, a fazer “urgentemente” uma intervenção pontual na ponte sobre o rio Col e na estrada São Domingos – Varela.  

O Padre Victor Pereira disse também que os centros de Saúde de Suzana e Varela não dispõem de ambulâncias para evacuação de doentes em estado grave.

“Às vezes, nós, a missão católica, utilizamos as nossas viaturas para evacuar doentes, porque os centros de saúde não dispõem de ambulância. Devido à má condição da estrada, a ambulância do hospital setorial não consegue deslocar-se para a nossa zona. É preciso que o governo veja a secção e ajude a população a sair da situação em que se encontra “, apelou Victor Pereira.

O missionário Forna Quinté afirmou que a população da secção de Suzana está a viver numa situação de isolamento e de abandono por parte do Estado guineense.

“Sabemos que estamos a viver um momento particular, a crise sanitária que abala todo o mundo. Mas é preciso que o governo faça alguma coisa para a secção. A ponte não tem dia de desabar e ficar cortada. E se assim acontecer, o isolamento vai ser ainda pior e trará maiores problemas para as populações locais. As mulheres que vendem peixe para sustento familiar não vão poder deslocar-se para São Domingos e/ ou para Bissau. Obviamente que as consequências serão a fome nesta zona. Esta ponte era apenas uma alternativa. Que o governo melhore a antiga para reduzir as dificuldades com que se depara a população” instou, lembrando também que a estrada São Domingos/Varela está, nesta época das chuvas, em piores condições: “A estrada está em péssimas condições. Estamos a viver numa situação difícil. Se o seu carro não tiver reforço vai ter dificuldades de circular. O acesso às tabancas de secção é muito difícil, devido às condições das estradas. Ninguém consegue transportar os seus produtos agrícolas para São Domingos ou para Bissau”.

A Reportagem de O Democrata constatou que, devido às más condições das estradas, os condutores sobem o preço de transporte de São Domingos para Suzana que era de 750 francos cfa para 1000 francos cfa e de São Domingos para Varela que era de 1000 francos cfa para 15000. Na época chuvosa passada os preços variavam entre 1500 a 2000 francos cfa.

Em situação de aflição, os citadinos da secção recorrem a motorizadas, pagando valores que oscilam entre 7000 francos cfa (para Suzana) e 10000 francos cfa (para Varela).

Em termos do pessoal de Saúde, O Democrata constatou que a secção de Suzana, que conta com duas áreas sanitárias, (dois centros de Saúde Tipo C), tem oito técnicos entre enfermeiros e parteiras. Não tem médico nem técnico de laboratório.

A população da Secção de Suzana é maioritariamente agricultora. Para além da agricultura, vive da pesca e horticultura.

Por: Tiago Seide

Foto: TS

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.