PGR: “NÃO SE PODE EXIGIR MUITA PRODUTIVIDADE AO MAGISTRADO SEM LHE CRIAR MÍNIMAS CONDIÇÕES DE TRABALHO”

O Procurador Geral da República, Fernando Gomes, afirmou esta terça-feira, 14 de setembro de 2021, que não se pode exigir de um magistrado muita produtividade se não lhe forem criadas as mínimas condições de trabalho. 

Fernando Gomes falava na cerimónia da entrega de 52 computadores, 29 impressoras e outros equipamentos informáticos, oferecidas pela Câmara Municipal de Oeiras de Portugal, no âmbito da cooperação descentralizada para ajudar os países irmãos da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP).

Reconheceu que o donativo vai resolver alguns problemas de produção na instituição que dirige que carece, sobretudo de equipamentos informáticos.

“Em pleno século XXI, alguns serviços da Procuradoria-Geral da República da Guiné-Bissau continuam a trabalhar com máquinas antigas do século XIX. Procuradores gerais adjuntos e magistrados no topo de carreira não têm computadores. Assim estarão outros magistrados a nível dos tribunais”, lamentou.

Em representação da Câmara Municipal de Oeiras de Portugal, Ednilson Gilberto dos Santos, disse na sua declaração aos jornalistas que a justiça é o pilar fundamental para um estado de direito democrático.

“Qualquer entidade que queira desenvolver a sua parceria para a consolidação de estado de direito democrático tem de apoiar a justiça e isso aconteceu graças a relação entre Procurador-Geral da República, Fernando Gomes, e o presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais” disse.   

Edmilson dos Santos assegurou que a edilidade de Oeiras reitera o seu apoio ao povo da Guiné-Bissau, como fez no passado na área da educação e saúde. 

Por: Aguinaldo Ampa

Foto: A.A

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.