RENAJ DIZ QUE VAI EXIGIR 35 POR CENTO DE JOVENS NA LISTA DE CANDIDATOS A DEPUTADOS

[ENTREVISTA_janeiro_2022] O Presidente da Rede Nacional das Associações Juvenis (RENAJ), Seco Duarte Nhaga, disse que a RENAJ vai exigir, nas próximas eleições legislativas, aos partidos políticos a colocação na lista de candidatos a deputados, 35% dos jovens como cabeças de listas e “não meros figurantes das listas”, por a juventude representar 64% da população da Guiné-Bissau e da população eleitoral.

A RENAJ lidera a iniciativa “I DJUSTA! JOVENS, NÔ TOMA TERRA” traduzido literalmente em português significa “Basta! Jovens, assumamos a governação” que visa pôr fim à “tamanha desorganização” de que o país vem sendo alvo ao longo dos tempos.

“É chegada a hora, aliás, passou da hora, de nós jovens, assumirmos as nossas responsabilidades, que passam necessariamente pela assunção do país, mediante ações concretas e concertadas, capazes de colocar maior número de jovens nas estruturas de tomada de decisões”, começou por dizer Seco Nhaga.

RENAJ CRITICA ENVOLVIMENTO DE ALTAS AUTORIDADES NO NARCOTRÁFICO E A CORRUPÇÃO

Seco Nhaga disse que se os partidos não cumprirem as exigências da juventude, a RENAJ vai mobilizar as organizações juvenis, através de uma Campanha nacional de mobilização da consciência juvenil, para uma abstenção em massa “jamais vista no país”.

“Caso haja partidos que coloquem 35% dos jovens como cabeças de listas, não vamos ter medo e nem receio de incentivar também os jovens a votar nesses partidos. Vamos assegurar que os nossos colegas jovens que estão militados nos diferentes partidos políticos encontrem espaços nas estruturas cimeiras de tomada de decisões nos respetivos partidos e incentivar mais jovens a aderirem às fileiras dos diferentes partidos, conforme a ideologia partidária na qual acreditam”, disse.

O líder juvenil apelou à colaboração de diferentes estruturas juvenis, partidárias, estudantis e religiosas a uma mobilização juvenil, em larga escala, para estarem prontos e preparados para assumir posições de relevo em todos os níveis para em uma única voz: “Dizermos: I Djusta! Jovens, Na Toma Terra”.

O presidente da RENAJ acusou a classe política de ser incapaz em dar respostas aos problemas básicos do povo guineense, apontando as sucessivas greves nos setores sociais, nomeadamente, a educação e a saúde, que levaram a que as portas das salas de aulas estejam fechadas, já lá vão mais de três anos, colocando em risco o futuro dos jovens e, durante quase todo esse tempo, os hospitais têm estado a prestar os serviços mínimos.

“Os jovens estão à altura de assumir o país. A classe política guineense sente medo dos jovens, por isso criou uma narrativa de que os jovens não estão preparados para assumir os destinos do país. Os jovens estão preparados apenas para representar o país no futebol, na arte, na música, na comunicação, nas áreas sociais, menos a governação”, ironizou.

Para Seco Duarte Nhaga, esse discurso é uma falácia, tendo prometido desconstruir essa narrativa.

“Não temos medo de sermos conectados com algum partido político. Esta é uma iniciativa dos jovens. O país está mal. Não é de hoje. Que alguém não confunda que nós nos referimos só aos problemas de hoje. O país tem sido governado mal ao longo dos anos”, disse Seco Nhaga.

No manifesto, a RENAJ disse que no setor da justiça tem-se assistido às más condições das prisões, a inexistência da independência prática das instituições judiciárias, fruto de intromissões sistemáticas dos atores políticos nas questões de natureza essencialmente jurídica, corrupção, impunidade, tráfico de pessoas e o envolvimento de altas autoridades no narcotráfico.  

“Temos assistido ao longo dos tempos as  violações gritantes dos direitos humanos na Guiné-Bissau, mesmo aqueles direitos mais sagrados, liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos, são vergonhosamente postas em causa e o principal violador destes direitos é o próprio Estado”, disse.

O ativista frisou que a inoperância das instituições competentes na fiscalização das normas e ações governativas tem mergulhado o país numa situação de caos cada vez mais preocupante.

No documento lê-se que a radiografia que hoje se faz é de um país “desgovernado, sequestrado por uma classe política despreparada, mergulhada numa corrupção patológica, no nepotismo, no tráfico de influências, entre outras condutas que têm minado o sonho do martirizado povo guineense, particularmente dos jovens, que clamam por um país de oportunidades e de realizações”. 

O documento refere que a recente história da democracia na Guiné-Bissau tem sido marcada pelas sucessivas instabilidades político-institucionais, resultantes da incapacidade dos atores políticos em criar consensos à volta dos maiores interesses do país.

“De recorrentes golpes de Estado e consequentemente às mudanças de governação, têm sido breves momentos de construção de consensos entre os atores políticos para definir os acordos de partilha do bem público e que rapidamente voltam a entrar em conflitos. Os interesses partidários e pessoais têm, ao longo dos tempos, se sobrepostos aos interesses nacionais”, refere a mesma nota.

Segundo documento consultado pelo jornal O Democrata, o nível de ostentação da riqueza por parte dos gestores públicos demonstra o quão “gritante é o nível de corrupção” no aparelho do Estado e os órgãos da administração da justiça “têm fingido fazer a justiça, dando um amém aos corruptos para continuarem a prática”.

Por: Tiago Seide

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.