Rei Mohammed VI: “GASODUTO NIGÉRIA-MARROCOS REPRESENTA MAIS DO QUE UM PROJETO BILATERAL”

O Rei Mohammed VI de Marrocos disse que a iniciativa da instalação de Gasoduto entre a Nigéria e Marrocos representa mais do que um projeto bilateral entre os dois países irmãos.

“O nosso desejo é que seja um projeto amplamente mais estratégico e benéfico para toda a região da África Ocidental, cuja população ultrapassa os 440 milhões de habitantes”, disse o Rei Mohammed VI de Marrocos, que discursava na noite do domingo, 6 de novembro de 2022, no âmbito da celebração de 47° aniversário da “Marcha Verde, tocando em todas as realizações sociais, económicas e culturais de grande escala no Saara marroquino que, segundo o rei, favorecem o desenvolvimento das regiões do sul do Reino.

Contudo, reiterou o apego de Marrocos à profundidade africana, acrescentando que a ligação que se faz através do Sara marroquino é o motor dos esforços de desenvolvimento que permitem “consolidar este papel histórico de forma firme e duradoura e, além disso, colocá-lo numa perspetiva decididamente voltada para o futuro”.

“Neste contexto, com o nosso irmão, Sua Excelência Sr. Muhammadu Buhari, Presidente da República Federal da Nigéria, tomou a iniciativa de lançar o projeto do Gasoduto Nigéria-Marrocos. É com satisfação que constatamos o atual estado de andamento deste grande projeto, decorrente de um acordo assinado em dezembro de 2016”, referiu.

 Neste particular, explicou que o Memorando de Entendimento assinado recentemente com a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), em Nouakchott, com a Mauritânia e o Senegal, constitui um “marco essencial” no processo de realização do projeto.

Mohammed VI disse que o memorando reflete o “empenho” dos países interessados em contribuir para a concretização deste projeto estratégico e ilustra a sua vontade política de assegurar o seu sucesso.

“Dado o interesse particular que temos em parceria com os Estados Oeste-africano, o Gasoduto Nigéria-Marrocos representa para nós mais do que um projeto bilateral entre dois países irmãos. O nosso desejo é que seja amplamente um projeto mais estratégico e benéfico para toda a região da África Ocidental, cuja população ultrapassa os 440 milhões de habitantes”, sublinhou, para de seguida, acrescentar que para além de Marrocos e da Mauritânia, o gasoduto oferece aos quinze países da CEDEAO oportunidades e garantias em termos de segurança energética e desenvolvimento socioeconómico e industrial.   

“Destinado às gerações presentes e futuras, o projeto trabalha em prol da paz, da integração económica do continente africano e do seu desenvolvimento comum. Dada à dimensão continental do Gasoduto Nigéria-Marrocos, também o vemos como um projeto estruturante que promete ligar África e Europa”, referiu.

Enalteceu o apoio das instituições financeiras regionais e internacionais que manifestaram o desejo de prestar assistência eficaz para a implementação do projeto. Neste sentido, reafirmou a preocupação de Marrocos em atuar sempre, em concertação com os seus irmãos da Nigéria e todos os parceiros, com total transparência e responsabilidade, para que o projeto seja implementado o mais rapidamente possível.

Reafirmou igualmente a recetividade de Marrocos a qualquer forma de parceria frutífera, visando a realização deste “grande projeto africano”.

Por: Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *