PLATAFORMA DA PESCA ARTESANAL DEFENDE O COMBATE ÀS PRÁTICAS DA “PESCA DESTRUTIVA E ILÍCITA”

O presidente da Plataforma Guineense de Atores Não Estatais da Pesca Artesanal e Agricultura (PLAGANEPA), Papa Cá, defendeu o combate às práticas da “pesca destrutiva” por forma a minimizar a proliferação da “pesca ilícita”, não declarada e não regulamentada, que resultam de redução de benefícios econômicos da pesca para o Estado e seus efeitos nefastos.

Papa Cá fez essa observação esta quarta-feira, 15 de julho de 2021, depois da assinatura do acordo de parceria entre a PLAGANEPA e a Direção-Geral de Pesca Artesanal, na qual reconheceu que a pesca é um dos setores estratégicos para o desenvolvimento do país.

Apelou à responsabilidade aos pescadores artesanais para, de forma global e participativa, contribuírem, através dos seus trabalhos, na promoção de um desenvolvimento durável e sustentável dos recursos. 

O acordo, segundo Papa Cá, insere-se na perspetiva de aumentar o dinamismo capaz de contribuir para o reforço das competências técnicas e políticas dos profissionais da pesca artesanal, para tornar visíveis as suas contribuições a nível nacional, sub-regional e internacional.

“A participação e contribuição de todos é importante no sentido de assegurar que a pesca que era praticada ontem não seja a mesma que a de hoje, porque a geração de amanhã precisará dos mesmos recursos haliêuticos”, enfatizaram.

Por seu lado, o diretor-geral da Pesca Artesanal, Inluta Incom, disse ter assinado o acordo com “grande prazer e satisfação”, sendo um processo iniciado há vários anos e que hoje torna-se numa realidade.

“Essa instituição foi criada porque existem pescadores, por isso trabalha com todas as organizações dos pescadores artesanais e o surgimento da plataforma é uma mais-valia para o setor da pesca artesanal e esperemos que ajude o governo no controlo do nosso mar”, salientou.

Por: Aguinaldo Ampa

Foto: A.A       

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.