Covid-19: ALTO COMISSARIADO INICIA CAMPANHA DE VACINAÇÃO A ALUNOS E PROFESSORES NAS ESCOLAS

O Alto Comissariado para o combate a covid-19 na Guiné-Bissau (AC) anunciou hoje uma campanha oficial de vacinação para os professores e alunos nas escolas públicas e privadas em Bissau que será alargada a todas as regiões do país.   

A informação foi avançada a O Democrata pelo Secretário do Alto Comissariado, Plácido Cardoso, durante uma entrevista para falar sobre a situação da campanha de vacinação no país, na qual explicou que a iniciativa visa dar certa segurança e proteção aos professores e alunos que se prepararam para o novo ano letivo.

O médico explicou que instalaram uma equipa de vacinação na Escola Nacional da Educação Física e Desportos, e  duas outras na Escola Normal Superior “Tchico Té”.    

“Estamos a trabalhar com as equipas das direções regionais da saúde para que coordenem com as delegacias regionais de educação, na identificação de equipas e locais para a vacinação dos professores e alunos em todas as regiões do país”, assegurou.

Questionado se existem as condições logísticas e técnicas para a execução da iniciativa em todo o país, Cardoso explicou que no concernente à disponibilidade das vacinas e outros insumos não têm nenhuma dificuldade, garantindo que estão reunidas condições logísticas e técnicas necessárias para a execução da campanha. 

Relativamente ao número das pessoas já vacinadas na Guiné-Bissau desde o início da campanha em abril último, informou que “até a última semana estima-se que cerca de 70 mil pessoas tenham sido vacinadas, o que corresponde a quase 10 por cento da população da Guiné-Bissau”. 

“Estamos justamente a compilar os dados das últimas semanas, que serão divulgados no boletim epidemiológico sobre a situação da pandemia na terça-feira”, contou. 

Plácido Cardoso apelou à população para aderir aos postos de vacinação para se vacinar, porque “a vacina é um dos meios seguros de proteção contra o coronavírus”. Sublinhou que mesmo vacinando é preciso continuar a observar as medidas de proteção, nomeadamente, o uso de máscaras, o distanciamento social e a lavagem frequente de mãos.

Salienta-se que o governo da Guiné-Bissau renovou o estado de calamidade à saúde pública por mais um período de 15 dias, tendo levantado o recolher obrigatório e a cerca sanitária regional devido à diminuição do número de casos de novas infeções e de óbitos nos últimos tempos. 

O país conta atualmente com 6.022 casos acumulados de infeções e 125 óbitos, desde o início da pandemia em março de 2020.

Por: Assana Sambú

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.